Federação das APAES emite nota de repúdio após acusações de PGR contra o deputado Eduardo Barbosa

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A procuradora-geral da República Raquel Dodge denunciou o deputado federal Eduardo Barbosa (PSDB/MG) por desviar R$ 1 milhão destinado à promoção e defeso de direitos das pessoas com deficiência. O fato teria ocorrido em 2010 quando o deputado era presidente da Federação Nacional da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (FEAPAES) e o recurso era proveniente de emendas parlamentares. Ela acusa o político de utilizar o valor para financiar a campanha eleitoral onde disputada a reeleição e usar o dinheiro em benefício de pessoas físicas e jurídicas.

Assim que a notícia veio à tona o deputado se pronunciou e disse estar indignado. Ele disse ainda que não há provas contra ele e a acusação é descabida e injusta, conforme pulicado na manhã desta quinta-feira, 12 de setembro, pelo Portal GRNEWS.

O assunto se tornou pauta das conversas em todo o estado nesta quinta-feira, 12 de setembro, e diante disso a Federação das Apaes de Minas Gerais (FEAPAES-MG) também se manifestou a respeito. Uma nota de repúdio foi divulgada assinada pelo presidente Jarbas Feldner de Barros e todos os membros da Diretoria Executiva, Conselho de Administração e Conselho Fiscal.

Eles citaram a denúncia de Raquel Dodge referente às emendas nº 31860006 e 31860007 e explicaram como o recurso foi gasto. Segundo a entidade, o convênio tinha por objetivo realizar 34 fóruns regionais de autogestão, auto defensoria e família em 34 cidades do estado com a participação de 6.262 pessoas; realizar ainda o Fórum de autogestão, auto defesa e família em Uberlândia com a participação de 475 pessoas; e realizar o Festival Nossa Arte em São Lourenço, com participação de 2.800 pessoas.

A FEAPAES citou que “os eventos acima mencionados tiveram a participação de aproximadamente 10 (dez) mil pessoas, oriundas de 420 (quatrocentas e vinte) cidades mineiras, sendo custeados alimentação, transporte e hospedagem de pessoas com deficiência e familiares participantes, além do material de apoio, aluguel de equipamentos, dentre outros. Estes recursos, vale dizer, foram de suma importância para se garantir a
ampla participação das famílias e de nossos usuários, diante da sua evidenciada vulnerabilidade
.”

O presidente citou ainda que o recurso recebido seguiu todos os critérios legais, ético e morais, assim como as orientações do Tribunal de Contas da União. Além disso destacou que “a Federação das Apaes de Minas Gerais é organizada em 36 Conselhos Regionais, congregando, hoje, 450 Apaes que atendem diariamente aproximadamente 80 mil pessoas com deficiência e 300 mil familiares. Todas elas são as maiores testemunhas
dos eventos ocorridos, assim como da transparência que sempre envolveu qualquer recurso recebido por nossa entidade
.”

E finalizou dizendo que “não admitimos que os 27 anos
de história dessa Federação e os 25 anos de vida pública do seu representante sejam destruídos por denúncia anônima, sem provas e, acima de tudo, inverídica.”

O presidente da FEAPAES também divulgou um vídeo em que se diz revoltado e indignado, além de repudiar a denúncia feita por Raquel Dodge contra o deputado. No vídeo ele explica como o recurso foi gasto e que em nenhum momento, Eduardo Barbosa sequer tocou nesse dinheiro. Citou ainda que todos os documentos e relatórios solicitados foram entregues, e em 2016 o TCU aprovou todas as contas do recurso.

Ele destacou ainda que Eduardo Barbosa continuará sendo apoiado pelo movimento apaeano e acredita que a denúncia se trata de uma questão política.

Assista:

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!