Violência doméstica continua aumentando durante pandemia e advogada pede que agressores sejam denunciados

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Uma mulher foi morta a cada nove horas no Brasil entre março e agosto de 2020. Somente em Minas Gerais foram 64 feminicídios registrados neste período. Os dados são do monitoramento Um Vírus e Duas Guerras, realizado por meio de uma parceria entre sete veículos de jornalismo independente. O objetivo é monitorar a evolução da violência contra a mulher.

Nestes seis meses de monitoramento, 497 mulheres foram mortas pelo simples fato de serem do sexo feminino.

Os números já assustam por si só, porém especialistas garantem que há subnotificação especialmente de dados de violência contra a mulher. Seja por medo ou vergonha, muitas insistem em permanecer caladas.

Recentemente dois casos vieram à tona no país e ganharam as mídias sociais. No primeiro deles, Pétala Barreiros, ex-mulher de Marcos Araújo, proprietário da Audiomix e do festival Villa Mix, acusa o ex de agressões enquanto ainda eram casados. Ela ainda diz ser ameaçada por ele após divulgar os vídeos da violência sofrida e também de áudios onde o filho pede pra ver o pai e ele sequer responde o garotinho.

Outro caso que ganhou repercussão no domingo (03) foi o da influenciadora digital Kedma Oliveira. Ela estava em Santa Catarina com o namorado, famoso empresário do ramo imobiliário, quando foi agredida pelo filho dele. Após ser trancada no banheiro, tentou entrar em contato com a Polícia Militar e como não conseguiu pediu ajuda aos milhares de seguidores que acionaram uma equipe policial que a tirou da residência.

O Portal GRNEWS conversou mais uma vez sobre este tema com a advogada especialista em Direito de Família Janine Batista Lemos que ressaltou que a violência doméstica não escolhe classe social nem cor. Muitas mulheres continuam sendo violentadas no país:


Janine Batista Lemos
janinebatistavioldom20211

Somente no ano passado, dezenas de projetos de lei foram aprovados para tentar diminuir estes números. A advogada lembra que as punições e sanções estão indo também para a área cível:

Janine Batista Lemos
janineblvioldom20212

E uma das ações mais importantes: denunciar. Seja a vítima, alguém que presenciou ou ouviu alguma mulher sendo agredida:

Janine Batista Lemos
janineblvioldom20213

As denúncias podem ser feitas pelo 190, telefone da Polícia Militar em que a equipe é acionada imediatamente.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!