Antônio Júlio cobra maior participação dos deputados do PMDB na reforma administrativa de MG

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

cidade_administrativabh
Em uma reunião interna do Diretório Estadual do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), as principais lideranças discutiram o posicionamento em relação ao projeto de reforma administrativa que o governador Fernando Pimentel (PT) encaminhou a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Deste encontro circulou a informação indicando que o prefeito Antônio Júlio de Faria teria questionado a matéria e cobrado um posicionamento mais efetivo da bancada do PMDB no Poder Legislativo Estadual.

O prefeito de Pará de Minas e ex-presidente da Associação Mineira dos Municípios (AMM) acredita que a proposta está repleta de equívocos e precisam ser feitas discussões em torno do assunto. O projeto afetará diversos setores de Minas Gerais.

Antônio Júlio de Faria afirma que não tem esse poder de orientação as lideranças do partido. O peemedebista ressaltou que os parlamentares do partido estão omissos e precisam cobrar mais do Poder Executivo Estadual:

Antônio Júlio de Faria
ragmgajf1

antonio_julio_de_faria140616
O prefeito de Pará de Minas informou que nos últimos dias vem sendo feitas muitas manifestações contrárias à reforma proposta. Para ele o projeto não tem nenhum benefício claro para a população e para o governo estadual:

Antônio Júlio de Faria
ragmgajf2

No projeto encaminhado a ALMG não será mais extinta a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico. Mas será feita a fusão com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

A proposta também prevê que o gabinete do governador voltará a ser chamado de Secretaria-Geral. O texto também contempla a criação de três secretarias de estado extraordinárias. No segundo escalão devem ser extintos 10 órgãos ao invés de 11.

O governo de Minas Gerais pretende cortar 391 cargos comissionados e extinguir 67 mil cargos efetivos que estão vagos atualmente. A meta do estado é economizar aproximadamente R$ 300 milhões por ano.

Nesta terça (28) foi adiada novamente na Assembleia Legislativa de Minas Gerais a votação do projeto de reforma administrativa enviado pelo governador Fernando Pimentel.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!