Suspensão de decreto que trata da alimentação saudável nas escolas é retrocesso, diz nutricionista

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Publicado em dezembro do ano passado, o decreto 47.557 determina que todas as escolas públicas e privadas de Minas Gerais deveriam seguir ações para promover alimentação saudável e adequada para os estudantes. Ficava ainda proibida a venda de produtos calóricos, com gordura saturada, trans, açúcar livre e poucos nutrientes.

A medida foi comemorada na época por profissionais da área da saúde que veem crescer o número de crianças e adolescentes obesos por causa da má alimentação. As escolas não poderiam também expor materiais publicitários que persuadissem os alunos a consumir estes produtos que não fazem bem à saúde.

O decreto entrou em vigor no início deste mês e fizeram com que as escolas se adaptassem aos novos moldes. Inclusive em Pará de Minas a alimentação saudável como merenda para os alunos vem sendo adotada há anos, o que facilitou na hora de colocar em prática a norma estadual.

Porém, na terça-feira 25 de junho, o governador Romeu Zema suspendeu a vigência do decreto. Segundo ele o assunto merece uma análise criteriosa de técnicos do Estado, que farão parte de uma comissão para avaliar os impactos sociais e econômicos da norma.

Antes de o decreto passar a vigorar no Estado, a reportagem do Portal GRNEWS conversou com a nutricionista da Secretaria Municipal de Educação Anna Paula Pena que comemorou a mudança. Há anos o município incluiu na alimentação dos estudantes produtos saudáveis e sustentáveis, o que reflete inclusive na educação.

Por esta razão, a nutricionista considera que a suspensão do decreto por parte de Romeu Zema é um retrocesso, segundo a nutricionista:


Anna Paula Pena
annapaularetrocessodecreto1

A nota publicada pelo governo diz que Romeu Zema suspendeu a vigência do decreto porque ele não especifica “o que não são alimentos saudáveis, cabendo interpretações subjetivas”. Anna Paula Pena acredita que isso se trata de interesses comerciais:

Anna Paula Pena
annapaularetrocessodecreto2

Desde agosto de 2012 há o decreto municipal que trata da alimentação escolar. Nos Centros Municipais de Educação Infantil (CEMEI’s) de Pará de Minas há um planejamento criterioso da merenda dos estudantes. A nutricionista faz o cardápio que é seguido rigorosamente pelas cantineiras. O objetivo é fazer com que a criança tenha uma comida saudável e aprenda a comer de tudo.

Ela lamenta a situação do Estado, já que até o governo federal está preocupado com a situação da obesidade:

Anna Paula Pena
annapaularetrocessodecreto3

Anna Paula Pena lembra que os pais também devem incentivar a alimentação saudável em casa e na rua:

Anna Paula Pena
annapaularetrocessodecreto4

Seriam proibidos nas escolas balas, pirulitos, biscoitos recheados, chocolates, refrigerantes, bebidas achocolatas, salgadinhos industrializados, frituras em geral e embutidos como presunto, mortadela, salame, carne de hambúrguer, bacon e salsicha.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!