Falta medicamentos na Farmacinha e burocracia atrasa compras, diz secretaria de Saúde

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Em fevereiro de 2019 a Prefeitura de Pará de Minas publicou aviso de intenção para aderir a uma ata de registro de preços realizada pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Ampliada Oeste (CIS-URG Oeste). Responsável por desenvolver ações de serviço de saúde em 54 municípios da região, o consórcio também pode fazer licitações e em parceria com as prefeituras consegue comprar vários itens, entre eles medicamentos. A adesão tinha o objetivo de adiantar a compra de medicamentos requisitados pelos paraminenses.

Já no início de março a Secretaria Municipal de Saúde publicou, através da Divisão de Licitações, o termo de anulação, cancelando então a adesão ao processo licitatório realizado pelo CIS-URG. Com base nos princípios constitucionais não mais vai adquirir medicamentos por meio deste tipo de registro de preços que não atende à demanda do município.

A Secretaria então deu início a um processo licitatório individual e conseguiu adquirir parte dos medicamentos necessários, como explica o secretário municipal de Saúde Paulo Duarte:


Paulo Duarte
paulocisurg1

Paulo Duarte afirma que a Secretaria Municipal de Saúde continua enfrentando problemas na compra de medicamentos, que ele classifica como burocrática e demorada, daí a falta de alguns remédios na cidade:

Paulo Duarte
paulocisurg2

Os medicamentos adquiridos pela prefeitura são fornecidos gratuitamente através das farmacinhas instaladas nas Unidades Básicas de Saúde e também na Farmácia Básica Central localizada no Centro de Serviços Urbanos (CENSU). Quem quiser saber quais medicamentos a Secretaria oferece basta acessar AQUI para consultar a Relação Municipal de Medicamentos (REMUME).

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!