Águas de Pará de Minas expande serviços com instalação de estações de tratamento de esgoto em distritos

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Prefeitura de Pará de Minas por meio da Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano publicou três decretos no início desta semana que tratam de desapropriação de terrenos em três distritos para construção e extensão de rede da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE).

As áreas são particulares e após o decreto de desapropriação, a concessionária Águas de Pará de Minas fica responsável pela indenização aos proprietários.

Em uma propriedade rural da Matinha, pertencente a uma siderúrgica da cidade, a área desapropriada será de 600 m² com indenização estipulado para o proprietário em R$11.800,00.

Outra área desapropriada fica no distrito de Tavares de Minas. O Município pretende um acordo amigável com o proprietário do terreno e a indenização será no valor de R$12.092,00. Em outra região do distrito, uma avenida, precisará ser desapropriada uma área de 735 m², outra de 461 m² e uma de 99 m² para a construção da extensão.

No distrito de Torneiros outras áreas serão desapropriadas para a construção da ETE. O primeiro terreno tem área de 184 m². Já próximo à rodovia BR 262 o proprietário será indenizado por mais de 1.000m². Em um sítio de Torneiros a concessionária precisará utilizar uma área de 621,17m².

Este tipo de processo é comum e está previsto no contrato firmado com a concessionária. Atualmente Pará de Minas tem 98% do esgoto coletado e tratado, enquanto no Brasil o número cai para 45%. Com a extensão da ETE a coleta e tratamento do esgoto nas áreas urbana e rural do município estará mais próximo da sua totalidade.

O processo começa com um estudo técnico feito pela equipe da concessionária Águas de Pará de Minas. Eles analisam a região e determinam com base em analises criteriosas o melhor local para instalar a Estação de Tratamento de Esgoto, para facilitar o escoamento por gravidade ou declividade da água após ser tratado o esgoto até o manancial mais próximo.

O passo seguinte é repassar as coordenadas geográficas para a prefeitura de Pará de Minas que fica responsável pelo processo de desapropriação dos terrenos com previsão de indenização.

Cumprida esta etapa os terrenos são liberados para a concessionária Águas de Pará de Minas que instala a Estação de Tratamento de Esgoto nos distritos. Outro contemplado com este benefício é o distrito de Carioca.

O processo dessas estações nas comunidades rurais é o mesmo observado na ETE localizada nas proximidades do bairro União em Pará de Minas. O esgoto chega até a estação, passa pelo processo de tratamento. Na sequência a água limpa é liberada para o manancial e os dejetos resultantes do tratamento do esgoto são coletados por caminhões e destinados de maneira correta.

A concessionária Águas de Pará de Minas pretende levar os mesmos serviços prestados na área urbana para as comunidades rurais do município que constam no contrato a ser cumprido pela empresa.

Um exemplo é o distrito de Ascensão, onde os moradores reclamam que a Águas de Pará de Minas parou de fazer ligações para coleta de esgoto sanitário. Porém, a empresa afirma que não parou, pois nunca fez nenhuma ligação de esgoto naquela comunidade justamente por não ter uma ETE. Assim, ela não pode cobrar por um serviço que não está prestando aos consumidores. Mas neste caso de Ascensão e Bom Jesus do Pará que são vizinhos, em breve as áreas devem ser definidas para que a concessionária instale as estações de tratamento de esgoto para beneficiar os moradores.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!