Moradores se unem e compram câmeras para monitorar o bairro Grão-Pará

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A segurança é um problema em todo o país. Os brasileiros sentem medo de sair de casa por causa de furtos, assaltos. Em casa também não estão seguros, pois os criminosos chegam cada vez mais ousados.

Em muitas cidades as prefeituras investem no projeto Olho Vivo, que é feito em parceria com os estados e a Polícia Militar faz o monitoramento por meio das câmeras.

Em Pará de Minas até há um projeto como este. Em agosto de 2018 o prefeito Elias Diniz (PSD) anunciou a assinatura de um Acordo de Cooperação Técnica entre o município e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Na época a fase inicial contemplaria 35 câmeras instaladas em pontos estratégicos da cidade e de alguns distritos. Mas até agora o acordo não saiu do papel, continua só na promessa.

Neste cenário de insegurança, moradores do bairro Grão-Pará resolveram não esperar mais o poder público e agiram sozinhos. Cada família doou certa quantia em dinheiro e em breve as câmeras de monitoramento serão instaladas em pontos estratégicos.

Cristiano Fernandes da Silva é presidente do Rotary Club Bariri e também da Associação Comunitária do bairro Grão-Pará e explica como o circuito de monitoramento funcionará:


Cristiano Fernandes da Silva
cristianocameras1

Cristiano Fernandes lembra que o poder público para implantar o projeto passa por uma série de processos burocráticos e na maioria das vezes a solução demora a chegar. Por isso ele acredita que cada um pode fazer sua parte para o bem de todos:

Cristiano Fernandes da Silva
cristianocameras2

O bairro Grão-Pará também foi contemplado com uma emenda parlamentar do deputado federal Eduardo Barbosa. Cristiano Fernandes tem acompanhado a solicitação e em breve o valor será depositado na conta da prefeitura para a construção de uma quadra poliesportiva na comunidade:

Cristiano Fernandes da Silva
cristianocameras3

Como o circuito de câmeras de segurança foi idealizado pelos próprios moradores não foi feita uma parceria com a Polícia Militar. A comunidade é quem vai monitorar através do aplicativo de celular e se houve algum problema, a PM será acionada.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!