Índice cai, mas bairros de classe alta estão entre os mais infestados por Aedes aegypti em Pará de Minas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


A Secretaria Municipal de Saúde de Pará de Minas promoveu mais um Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), conforme determina o Ministério da Saúde, em Brasília.

O objetivo do trabalho é avaliar a real situação dos focos do mosquito transmissor da Dengue, Febre Chikungunya e Zika Vírus, em residências. Vale ressaltar que o maior número de criadouros sempre é registrado dentro das casas.

Desta vez a situação não foi diferente e em algumas residências foram encontrados mais de um foco positivo. Grande parte foi encontrada em ralinhos de banheiros e duchas, caixas de degelo atrás das geladeiras e reservatórios de água como tambores, garrafas e pratinhos de plantas.

Em 15 dias de trabalho, por exemplo, a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura retirou mais de 20 caminhões de entulho somente no Residencial Cecília Meireles. Também foram recolhidos pneus, sofás, geladeiras e fogões velhos.

O levantamento foi realizado entre os dias 30 de julho e 3 de agosto e foram visitados 1.750 imóveis. O resultado final do LIRAa comprova a infestação de 1,3%. O último índice registrado em abril deste ano havia sido de 3,9%.

Os dados mostram que Pará de Minas está com um médio risco de epidemia. Para chegar ao nível ideal o município deve registrar um índice de 0,9% de infestação do mosquito transmissor das doenças.

De acordo com Paulo Duarte, secretário municipal de Saúde, afirma que o Poder Público vem fazendo sua parte e é indispensável o apoio de todos os moradores dos bairros onde a situação é mais crítica:


Paulo Duarte
ultimolirapauloduarte1

Não foi encontrada nenhuma larva do mosquito que transmite a Febre Chikungunya, um fator muito positivo. A população paraminense precisa apoiar o trabalho por receber os agentes de combate a Endemias, inclusive aos sábados:

Paulo Duarte
ultimolirapauloduarte2

Cada morador deve eliminar quaisquer reservatórios de água parada que podem servir de criadouro do Aedes aegypti. Para isso é preciso fazer uma vistoria regular nos imóveis.

O bairro de Pará de Minas com maior índice de infestação é o Residencial Capanema com índice 15,7%, seguido por Santa Edwiges com 11,1%. Em seguida aparecem bairros de classe alta e com índice de infestação do mosquito transmissor da dengue muito preocupante, se considerarmos que para afastar o risco de epidemia é de 0,9%, como São Luiz com 8,33%; Vila Raquel e Jardim Castelo Branco que registraram cada 7,1% e São José com 4,16%.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE