Polícia Civil conclui investigação de seis homicídios em Pará de Minas neste ano e prende sete pessoas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) concluiu as investigações dos homicídios de Mazurkiewsky Rodrigues Aquino no dia 28 de julho e de Alexandre Aparecido de Oliveira em 25 de agosto, em Pará de Minas. Os assassinatos foram cometidos por oito homens integrantes de uma associação criminosa envolvida com o tráfico de drogas. A quadrilha agia no bairro Padre Libério, conforme apontaram as investigações.

Mazurkiewsky Rodrigues Aquino tinha 31 anos e foi morto no bairro Santos Dumont. Ele, que tinha passagens pela Polícia, estava na Rua Osmar Xavier Marinho quando foi surpreendido por indivíduos que estavam em um Gol preto e fizeram disparos de arma de fogo fugindo em seguida pelas ruas do bairro.

Já Alexandre Aparecido de Oliveira tinha 34 anos e estava dentro do carro quando foi atingido por disparos de arma de fogo na cabeça e no rosto. Ele morava no Residencial Capanema e já havia sido ameaçado por um traficante do bairro.

As investigações da Polícia Civil concluíram que a quadrilha também é responsável pelas mortes de outras quatro pessoas em Pará de Minas. Uma pistola Taurus 380 apreendida, passou por minuciosa perícia que comprovou que ela foi utilizada em pelo menos cinco assassinatos, que ocorreram em março, abril, julho e agosto, além de uma tentativa de latrocínio na comunidade de Aparição em maio deste ano.

Sete pessoas estão presas e o inquérito apontou a participação de cada uma delas. Um oitavo integrante da associação criminosa continua foragido.

Delegados, escrivães, peritos e investigadores apresentaram nesta quarta-feira, 2 de outubro, o resultado do trabalho de meses de apuração. Para o delegado regional de Polícia Civil, Carlos Henrique Gomes Bueno, o inquérito foi bem montado com provas irrefutáveis da participação dos presos:

Carlos Henrique Gomes Bueno
carloshenriquehomicid1


O delegado regional não descarta novas prisões de outros possíveis integrantes da associação criminosa:

Carlos Henrique Gomes Bueno
carloshenriquehomicid2

Douglas Valério de Barcelos é o delegado à frente das investigações e explica que a arma de fogo apreendida com um dos acusados foi crucial para apurar os casos:

Douglas Valério de Barcelos
douglasvaleriohomicid1


Dos sete presos, três são de Santa Luzia e os outros quatro de Pará de Minas. Três adolescentes também podem estar envolvidos com a quadrilha, foram ouvidos pela Polícia Civil e liberados.

Os sete inquéritos finalizados serão encaminhados à Promotoria de Justiça que ficará responsável pelas próximas etapas legais. Os presos são acusados de vários crimes:

Douglas Valério de Barcelos
douglasvaleriohomicid2

O investigador Thiago Barcelos participou na linha de frente da apuração do caso. Ele conta que após encontrar um dos suspeitos, as armas foram localizadas e os exames criminalísticos apontaram ser a utilizada na maioria dos homicídios.

A motivação para todos os assassinatos foi a disputa pelo tráfico de drogas e cada integrante agiu de forma diferente em cada homicídio:

Thiago Barcelos
thiagobarcelsohomicid1


Com a resolução destes seis casos, todos os homicídios que ocorreram em Pará de Minas em 2019 foram solucionados pela equipe da Delegacia Regional de Polícia Civil de Pará de Minas.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!