Pará de Minas adere, mas não segue o Minas Consciente; município espera publicação do novo plano para se adequar

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Após muita espera pelos gestores dos municípios mineiros, na tarde de quarta-feira, 29 de julho, o Governo de MG lançou o novo Minas Consciente. O plano estadual orienta a retomada segura e responsável da economia nas cidades. Para isso o estado foi dividido em macro e microrregiões e elas são separadas por ondas.

No dia 21 de julho o município anunciou a adesão ao Minas Consciente para cumprir determinação judicial. Porém, ficou só no papel. No dia seguinte, o Comitê Gestor do Plano de Prevenção e Contingenciamento em Saúde da Covid-19 foi informado da adesão e que Pará de Minas não estava seguindo as regras determinadas pelo plano estadual. Apesar de ser uma ordem judicial, não foi cumprida de imediato. O município disse que havia um decreto em vigência até 28 de julho e partir desta data seriam feitas as adequações. Ressaltando que na data da adesão Pará de Minas se enquadrava na Onda Verde podendo funcionar somente os serviços essenciais, na Região Oeste, a qual o município está inserido.

Mas, no dia 28 de julho, novamente o Município não cumpriu a promessa de se adequar ao Minas Consciente. O decreto municipal foi prorrogado sob o argumento que era preciso esperar as mudanças no plano que seriam anunciadas pelo governo estadual. A divulgação das novas regras foram anunciadas pelo governador Romeu Zema (Novo) na tarde de quarta-feira (29). Apesar do anúncio com as mudanças, Pará de Minas disse que não fará adequações ao Minas Consciente, porque vai esperar a publicação do novo plano anunciado pelo governador e segue com regras do decreto municipal.

Enquanto isso, a população fica mais preocupada a cada dia com os casos e mortes causadas pelo novo coronavírus (COVID-19) na cidade. Os dados da Secretaria Municipal de Saúde desta quinta-feira, 30 de julho, mostram que Pará de Minas tem 170 casos confirmados, 1.518 suspeitos e 5 mortes por COVID-19.

As ondas do Minas Consciente sofreram alterações no novo plano, após uma consulta pública realizada pelo governo estadual, onde os participantes podiam sugerir adequações nas regras.

No dia 6 de agosto começa a valer o novo Minas Consciente para os municípios que aderiram. Segundo o governo estadual, 302 municípios aderiram ao plano até o dia 29 de julho. Isso representa 35% do total, atingindo sete milhões de mineiros.

Assim que o governo anunciou as novas medidas, o procurador-geral do Município de Pará de Minas Hernando Fernandes da Silva se pronunciou. A cidade aderiu, após receber notificação de decisão judicial do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), no dia 21 de julho, mas não adotou as propostas do estado.

Desde então o decreto municipal que vigorava foi prorrogado. Hernando Fernandes da Silva destaca que Pará de Minas está no caminho certo com as ações realizadas até agora:

Ascom Prefeitura de Pará de Minas/Divulgação

Hernando Fernandes da Silva
hernfernmcnovo1

O Estado de Minas Gerais ainda não divulgou as ondas propostas para cada macro e microrregião de Minas Gerais. O novo plano contempla três ondas. Na Vermelha somente poderão funcionar serviços considerados essenciais como supermercados, padarias, farmácias, bancos, depósitos de material de construção, fábricas e indústrias, lojas de artigos de perfumaria e cosméticos, e hotéis.

Na Amarela há serviços não essenciais, como lojas de artigos esportivos, eletrônicos, floriculturas, autoescolas, livrarias, papelarias e salões de beleza. Já na Verde estão os não essenciais com alto risco de contágio que são academias, teatros, cinemas e clubes. As escolas seguirão regras específicas e ainda não há data prevista para o retorno.

Ainda não se sabe em qual onda a região Oeste, da qual Pará de Minas faz parte, será incluída.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!