Prorrogada vacinação contra Febre Aftosa e meta do IMA é imunizar 110 mil animais na região de Pará de Minas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


Desde o dia 1º de maio, os rebanhos de bovinos e búfalos de todas as idades devem ser vacinados em Minas Gerais. A 1ª etapa da campanha é coordenada pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SEAPA).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), cerca de 218 milhões de animais devem ser vacinados ao redor do país. As metas exigidas são altas, visando à proteção dos rebanhos.

O produtor de gado tem até 10 dias após o encerramento da campanha para fazer a declaração da vacinação. Aqueles que descumprirem esse prazo serão punidos com multa de R$ 16,26 por animal.

Já quem não comprar a vacina durante o mês da campanha terá que pagar uma multa de R$ 81,29. Para que o rebanho fique protegido contra a Febre Aftosa, os criadores devem ter alguns cuidados importantes.

Entre os detalhes importantes a serem observados estão: a compra da vacina somente em lojas registradas; verificação das vacinas na temperatura entre 2°C e 8°C; transportá-las em caixa térmica e manter a vacina no gelo até o momento da aplicação.

Também é preciso escolher a hora mais fresca do dia e reunir o gado. Durante a vacinação, manter a seringa e as vacinas na caixa térmica e usar agulhas novas de preferência do tamanho 15mm por 18mm, limpas.

Minas Gerais tem o segundo maior rebanho nacional de bovinos, pois são aproximadamente 23,6 milhões de animais. O estado é área livre de aftosa com vacinação desde o ano 2008, concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

No ano passado os produtores mineiros conseguiram o quarto lugar no ranking nacional das exportações de carne bovina. O faturamento chegou a US$ 598 milhões e corresponde a 10% do mercado nacional.

O prazo para vacinar os animais terminaria nesta quinta-feira, 31 de maio. Porém, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) autorizou a prorrogação até o dia 15 de junho o prazo para vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa. A medida foi tomada para evitar o comprometimento dos resultados da imunização dos rebanhos na etapa de vacinação de maio.

De acordo com Lucas Silva Jardim, chefe do escritório do IMA em Pará de Minas, a meta da imunização é proteger aproximadamente 110 mil bovinos e bubalinos na região. A campanha de 2018 segue o mesmo modelo dos anos anteriores:


Lucas Silva Jardim
vacinaaftosalucasjardim1

Técnicos estudam a redução da dose da vacina e não existe nenhuma alteração para esta etapa. A nova vacina deverá ser adotada a partir do ano que vem, visando o fim da campanha posteriormente.

Os fiscais do escritório do IMA estão visitando as propriedades rurais da região e fazendo o agendamento da vacinação assistida dos animais que não foram vacinados em novembro de 2017. Outra frente está trabalhando a vacinação fiscalizada.

Após a aplicação, o produtor de gado com até 150 cabeças confinadas deverá preencher a declaração da vacinação e entregá-la no escritório do IMA, junto com a nota fiscal de compra das vacinas. Produtores com mais de 150 animais só poderão declarar pelo site do IMA.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE