Contabilista avalia extinção de e-Social; sistema era obrigatório em todas as empresas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Criado por meio de um decreto em 2014, o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (e-Social) os empregadores passaram a comunicar o governo federal de forma unificada, todas as informações referentes aos empregados.

Foram anos para se adaptar e muitos consideraram a transmissão eletrônica mais fácil, pois tudo estava em um só local. Até hoje o programa não foi implantado na totalidade e muitas empresas teriam que aderir até outubro deste ano.

Mas no último dia 9 de agosto uma surpresa. O governo federal cancelou o e-Social e a partir de janeiro de 2020 ele não será mais utilizado. A justificativa é pela criação de um sistema mais simples. Atualmente são em média 900 informações exigidas das empresas e o novo programa precisará de cerca de 500.

Para o contabilista da Alliance Contabilidade, Jeferli Henrique Teixeira, o começo foi difícil até a adaptação e o sistema facilitaria o trabalho a longo prazo:

Jeferli Henrique Teixeira
jeferliesocial1


Os escritórios de contabilidade, por exemplo, tiveram que comprar um software para se adequar ao e-Social e os profissionais passaram por capacitações. As próprias empresas tiveram que arcar com os custos de cursos e palestras para que os funcionários aprendessem sobre o novo programa e como o sistema funciona, com o objetivo de evitar erros. Agora, todo este investimento foi perdido:

Jeferli Henrique Teixeira
jeferliesocial2

Segundo o Ministério da Economia as mudanças no sistema serão incorporadas ao longo dos próximos meses até que a nova plataforma esteja em vigor. Enquanto isso, pequenas e médias empresas não precisam entrar no e-Social.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!