Casos de exploração sexual de crianças e adolescentes aumentam em Pará de Minas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

No dia 18 de maio de 1973 Araceli Cabrera Sanchez Crespo de apenas oito anos foi sequestrada, drogada, espancada, estuprada e morta por membros de uma tradição família no Espírito Santo. O crime chocou o Brasil e os dois acusados ficaram presos por pouco tempo após contratarem doze advogados. Apenas da cobertura da mídia na época e o apelo popular, o caso ficou impune e o corpo de Araceli só foi sepultado três anos depois.

Ascom/Prefeitura de Pará de Minas/Divulgação

A história de Araceli ainda é lembrada anualmente, quando em 2000, através do Projeto de Lei 9970, ficou instituído 18 de maio como Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Ascom/Prefeitura de Pará de Minas/Divulgação

Em todo o país acontecem mobilizações com o objetivo de convocar a sociedade brasileira para proteger as crianças e adolescentes, com foco na prevenção.

Ascom/Prefeitura de Pará de Minas/Divulgação

Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) mostram que mais de 250 mil crianças e adolescentes são vítimas de exploração sexual no Brasil. Dos 5.561 municípios brasileiros, em 937 ocorre à exploração. A cada 26,7 quilômetros há um ponto vulnerável para o abuso infantil nas estradas, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Ascom/Prefeitura de Pará de Minas/Divulgação

Em Pará de Minas a situação também é preocupante, como afirma Maria Angélica Varela. Ela destaca o aumento de casos de estupro de crianças e adolescente na cidade:


Maria Angélica Varela Franco de Oliveira
angelicapasseata2

A coordenadora do CREAS ainda denuncia que muitas mães têm medo de denunciar o parceiro que abusa do filho ou filha. Casos como este tem sido registrados na cidade:

Ascom/Prefeitura de Pará de Minas/Divulgação

Maria Angélica Varela Franco de Oliveira
angelicapasseata3

Quem quiser denunciar qualquer tipo de exploração com crianças e adolescentes pode ligar no Disque Direitos Humanos, no número 100. O serviço é gratuito e funciona 24 horas por dia.

Ascom/Prefeitura de Pará de Minas/Divulgação

Pará de Minas também se mobilizou contra a exploração sexual de crianças e adolescentes. Nesta quinta-feira, 16 de maio, foi realizada uma passeata pelas ruas centrais da cidade. Com cartazes, faixas, balões e vestidos de preto, estudantes dos ensinos fundamental, médio e universitário, servidores municipais, usuários do CAPS AD e do CERSAM pediram que todos sejam contra a pedofilia e protejam as crianças e adolescentes.

Ascom/Prefeitura de Pará de Minas/Divulgação

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!