Metade de MG está na onda verde do Minas Consciente; Pará de Minas segue na amarela, mas não cumpre o plano

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Pela primeira vez desde o lançamento do plano Minas Consciente, metade das macrorregiões de Saúde de Minas Gerais – o que representa 8 das 14 macros – está inserida na onda verde, a mais avançada do plano. A definição foi deliberada em reunião do Comitê Extraordinário Covid-19, nesta quarta-feira (14/10), após análise dos bons índices epidemiológicos mantidos no estado nesta fase da pandemia.

O município de Pará de  Minas regrediu, teoricamente e não prática, da onda verde para a onda amarela no dia 24 de setembro. Pará de Minas está incluída na macrorregião Oeste e é sede da microrregião. As duas regrediram para onda amarela e e as mudanças deveriam valer já a partir de 26 de setembro. Inicialmente o município disse que avaliaria sua permanência no Minas Consciente. Posteriormente, no dia reafirmou a adesão ao plano do estado, mas sem sem cumprir as regras do mesmo. Apesar de estar na onda amarela, Pará de Minas está com tudo funcionando como se estivesse na onda verde. A regressão determinada pelo Minas Consciente não está sendo cumprida em Pará de Minas.

As alterações permitem que as macrorregiões Triângulo do Norte, SudesteNordeste e Centro sejam autorizadas a evoluir para a onda verde, após passarem 28 dias na onda amarela com índices estáveis. Além delas, as macros Triângulo do SulCentro-SulNorte e Jequitinhonha se mantiveram na onda verde. Esse é o estágio mais avançado do plano, com retorno de atividades escolares, abertura de parques e feiras.

Há duas semanas sem nenhuma região na onda vermelha, cenário em que se permite apenas o funcionamento de serviços essenciais – como supermercados, padarias e farmácias -, as demais macrorregiões do estado permanecem na onda amarela. Nesta fase, é permitida a abertura de academias, clubes e bares, por exemplo.

Resultado de planejamento
Para o secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, o atual controle da taxa de óbitos e de casos de covid-19 em Minas Gerais é resultado do planejamento feito pelo governo, ao decidir lançar o plano Minas Consciente, ainda em abril, centrado em estudos técnicos e epidemiológicos das Secretarias de Estado de Saúde (SES-MG) e Desenvolvimento Econômico (Sede).

“Estamos conseguindo o equilíbrio que o plano sempre buscou, que é a retomada gradual e responsável da atividade econômica. Isso mostra que nós estamos dentro de uma metodologia bem construída, com acompanhamento técnico, fazendo com que a nossa economia se reative com segurança e cuidado com as pessoas”, disse o secretário.

Para o chefe de gabinete da SES-MG, João Pinho, o controle dos índices, até o momento, é resultado das políticas implementadas ao longo dos meses. “O aumento de casos vem diminuindo, foram apenas 35 na semana, os surtos estão controlados, a taxa de incidência da doença caiu 18% e o isolamento se mantém estável. A população definiu sua rotina: quem precisa sair para trabalhar, tem saído, mas quem se adaptou ou pode estar em casa, está em casa”, afirmou.

Apesar dos bons índices, o chefe de gabinete da SES-MG mantém o alerta para que as medidas de distanciamento e higiene sejam constantes, visando ao controle da doença.

“A gente caminha para um novo momento na pandemia. Mas não é uma situação que garante o futuro porque esse futuro está diretamente ligado ao comportamento da população. É uma situação que ressalta bastante o compromisso do Estado e as ações de todas as secretarias envolvidas sob a gestão do governador Romeu Zema”, destacou Pinho.

Adesão
Até esta quarta-feira (14/10), um total de 656 cidades havia aderido ao plano Minas Consciente, o que representa 80% do estado. Além disso, 463 municípios com menos de 100 mil habitantes estão aptos a avançar para a onda verde.

Onda verde

As macrorregiõesTriângulo do NorteSudesteNordeste e Centro apresentaram um quadro controlado da doença após passar 28 dias na onda amarela*, o que permitiu o avanço para a onda verde, que possibilita a abertura de serviços não essenciais com alto risco de contágio. São eles:

– Atividades artísticas, como produção teatral, musical e de dança e circo;

– Cinemas, bibliotecas, museus, arquivos;

– Parques, zoológicos e jardins;

– Feiras, congressos, exposições, filmagens de festas, casas de festas, bufê;

– Parques de diversão, discotecas, boliches, sinuca;

– Bares com entretenimento (shows e espetáculos);

– Serviços de colocação de piercings e tatuagens.

*Para avançar para a onda verde, as cidades precisam estar há 28 dias consecutivos na onda amarela, sem sofrer retrocessos durante esse período.

Onda Amarela
As macrorregiões de Saúde OesteSulLeste do SulVale do AçoLeste e Noroeste mantiveram índices favoráveis para a abertura de serviços não essenciais, contemplados pela onda amarela.

Nesta fase, são permitidos:

– Bares (consumo no local);

– Autoescolas e cursos de pilotagem;

– Salões de beleza e atividades de estética;

– Comércio de eletrodomésticos e equipamentos de áudio e vídeo;

– Papelarias, lojas de livros, discos e revistas;

– Lojas de roupas, bijuterias, joias, calçados, e artigos de viagem;

– Comércio de itens de cama, mesa e banho;

– Lojas de móveis e lustres;

– Imobiliárias;

– Lojas de departamento e duty free;

– Lojas de brinquedos;

– Academias (com restrições);

– Agências de viagem;

– Clubes.

*As determinações para a próxima semana são divulgadas às quintas-feiras, a partir das 15h, neste link. Também no portal do plano Minas Consciente são apresentadas informações sobre a adesão dos municípios ao plano, indicadores e resultados. Com Agência Minas

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!