Municípios do Centro-Oeste de MG mantém comércio fechado e distribuem cesta básica a família carentes

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Assim como Pará de Minas, municípios mineiros estão adotando os decretos estaduais recomendando o isolamento da população e que apenas serviços essenciais sejam mantidos abertos.

A intenção é conter o avanço do novo coronavírus (COVID-19) e minimizar os problemas causados pela doença. É que quase todas as cidades não tem estrutura de Saúde capaz de suportar a quantidade de pacientes caso muitas pessoas sejam infectadas e necessitem de leitos com respiradores. O Portal GRNEWS relata a situação em algumas cidades da região Centro-Oeste de Minas Gerais.

Nova Serrana

Prefeitura de Nova Serrana-MG/Divulgação

Nova Serrana ligou o alerta máximo nesta quinta-feira (09), quando foi divulgada a notícia da morte de uma idosa de 82 anos, moradora da cidade, que estava internada em um hospital em Divinópolis. Ela testou positivo para o novo coronavírus.

No início desta semana, um decreto flexibilizou o funcionamento do comércio no município e ainda na segunda-feira (06) o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) apresentou ação liminar impedindo alguns setores de retomar o funcionamento. A medida visa diminuir ao máximo o número de casos, que infelizmente só crescem.

No setor industrial, principal fonte de economia do município, as demissões já começaram. Nas redes sociais existem relatos de fábricas de calçados que demitiram centenas de trabalhadores. O Portal GRNEWS buscou a confirmação  ou não dessa informação junto ao Sindicato Intermunicipal das Indústrias de Calçados de Nova Serrana (Sindinova), que inclusive elaborou cartilhas para empregadores e empregados orientam a prevenção ao COVID-19, mas até esta publicação a resposta não havia chegado.

Prefeitura de Nova Serrana-MG/Divulgação

O Município também tem atuado junto às famílias carentes. Nesta semana a Secretaria Municipal de Educação distribuiu aos estudantes da rede municipal de ensino uma cesta básica por família de aluno. Basta apresentar o CPF da mãe, que recebe a ajuda.

Dores do Indaiá

Prefeitura de Dores do Indaiá-MG/Divulgação

Em Dores do Indaiá, a Prefeitura tem adotado diversas medidas de contenção do novo coronavírus. Aulas e atividades comerciais estão suspensas por tempo indeterminado na cidade.

Além disso, desde o dia 26 de março, a Secretaria de Saúde e a Polícia Militar montaram barreiras sanitárias nos principais pontos de acesso à cidade. O controle de pessoas é realizado, além de orientar todos que chegam a Dores do Indaiá.

Para o feriado da Semana Santa, a prefeitura publicou em suas redes sociais o pedido para que os dorenses que não estão no município, não visitem a cidade durante o fim de semana. Segundo a postagem, “não viajar para as cidades do interior neste momento é um ato de respeito e consideração com o próximo e que deve ser praticado”.

Pompéu

Prefeitura de Pompéu-MG/Divulgação

A cidade de Pompéu também acatou o decreto estadual e mantém fechado o comércio e as aulas também estão suspensas por tempo indeterminado. O município tem 25 casos em investigação e oito foram descartados após exames laboratoriais.

A Polícia Militar tem ajudado a Secretaria Municipal de Saúde a fiscalizar lojas com grande aglomeração de pessoas. Os proprietários foram orientados e notificados.

Divinópolis

Prefeitura de Divinópolis-MG/Divulgação

Divinópolis também está em situação de alerta. Duas mortes foram confirmadas na quarta-feira (08) em decorrência do novo coronavírus. As duas mulheres estavam internadas há duas semanas no Hospital Santa Mônica.

O Município agora pretende adotar medidas mais rígidas de isolamento, no intuito de diminuir a propagação do vírus. Há possibilidade da cidade aderir ao “lockdown”, o isolamento total da sociedade, caso não haja leitos disponíveis nos hospitais e unidades de saúde do município.

O alerta foi feito também para as cidades vizinhas que tem ido contrárias às recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) flexibilizando o funcionamento do comércio. É que Divinópolis é referência para outros 54 municípios, numa média de quatro milhões de habitantes, e o sistema de saúde pode entrar em colapso nos próximos meses.

Prefeitura de Divinópolis-MG/Divulgação

Divinópolis conta com 222 leitos atualmente e outros 70 serão implantados, sendo que 40 instalados no Hospital de Campanha no estacionamento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e outros 30 no Complexo de Saúde São João de Deus. Na cidade o comércio está suspenso por tempo indeterminado.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!