Cerca de 10 mil paraminenses não se vacinaram contra a Febre Amarela; casos de Dengue também preocupam

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Secretaria Municipal de Saúde está atuando para evitar riscos de doenças que possam trazer riscos aos paraminenses. Mas é importante que a população também colabore e faça sua parte.

Veja o caso do combate a Dengue. Os agentes de Endemias visitam as residências, orientam os moradores, acabam com focos, realizam mutirões de limpeza para eliminar tudo que possa acumular água parada. Porém, muitos cidadãos não se mostram preocupados em combater os focos do mosquito transmissor da Dengue.

Situação semelhante pode ser notada com as doenças sexualmente transmissíveis (DST’s). Os preservativos sãos distribuídos nas unidades básicas de saúde, onde também estão disponíveis os testes rápidos para identificar essas doenças em 30 minutos. Muitos não fazem sua parte e o resultado é uma epidemia de Sífilis no município.

Outro caso que requer ação da população paraminense para evitar uma doença que pode causar a morte da pessoa contaminada é se vacinar contra a Febre Amarela.

Porém, o município não atingiu o índice de vacinação mínimo de 95% especificado pelo Ministério da Saúde para afastar risco da doença que pode matar.

Em Pará de Minas as doses da vacina são gratuitas e estão disponíveis nas unidades básicas de saúde. Porém, menos de 90% da população se vacinou. Considerando que o município que têm cerca de 100 mil habitantes, aproximadamente 10 mil pessoas correm risco de serem contaminadas pelo vírus da Febre Amarela. O alerta é feito por Maria de Lourdes Liguori, enfermeira e Referência Técnica de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde:


Maria de Lourdes Liguori
marialiguorifebre1

A profissional também aproveita para reforçar a necessidade de a população ajudar no combate a Dengue. Lembra que na segunda epidemia enfrentada pelo município em 2016 foram quase cinco mil casos e cinco mortes causadas pela doença. Um terceiro surto da doença não está descartado em 2019:

Maria de Lourdes Liguori
marialiguorifebre2

Em Pará de Minas a Secretaria Municipal de Saúde por meio do Departamento de Vigilância Sanitária realiza semanalmente mutirões de limpeza, onde são coletados utensílios que possam armazenar água e descarta esses materiais de forma correta. Mas a população precisa fazer sua parte, somente os agentes de saúde não conseguirão acabar com os focos do mosquito.

A preocupação aumenta com o armazenamento de água que vem sendo feito pelos paraminenses, que temem o desabastecimento. Isso se deve à suspensão de captação de água no Rio Paraopeba que está contaminada pelos rejeitos da barragem da mineradora Vale que se rompeu em Brumadinho em 25 de janeiro de 2019. Em tempos de estiagem a água do Ribeirão Paciência, Córrego dos Paivas, poços artesianos e carros-pipa não conseguem abastecer a cidade.

O risco de uma terceira epidemia de Dengue é real. O índice de proliferação do mosquito transmissor da Dengue e outras doenças subiu de 2% para 2,4% no último Levantamento do Índice Rápido de Aedes (LIRAa) realizado em janeiro de 2019. O Ministério da Saúde preconiza que para afastar risco de epidemia esse índice deve ficar abaixo de 1%.

O quadro é ainda mais preocupante se consideramos que em todo o ano de 2018 foram notificados 122 casos e somente nos primeiros 45 dias de 2019 foram registrados 68 casos suspeitos, ou seja, mais da metade do que foi registrado em todo ano passado.

Além da Dengue, o mosquito Aedes Aegypti também transmite Zika vírus e Febre chikungunya, e também a Febre Amarela em ambientes urbanos. Mas dessas duas doenças ainda não foram registrados muitos casos em Pará de Minas.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!