Vale garante que 30% da adutora do Rio Pará está pronta e obra deve ser entregue no prazo previsto

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Após o rompimento da barragem em Brumadinho no dia 25 de janeiro deste ano, que contaminou as águas do Rio Paraopeba, principal fonte de abastecimento de Pará de Minas, representantes do Município, Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e Águas de Pará de Minas,firmaram um Termo de Compromisso (TC) com a mineradora Vale.

Nele, a mineradora acordou a construção de um reservatório com capacidade para 100 mil litros de água no distrito de Córrego do Barro; a perfuração de poços artesianos na cidade; e se mesmo assim, não resolver o abastecimento do município período de seca, a Vale terá que disponibilizar carros-pipa para encher as caixas d’água de casas e empresas.

Em nota divulgada há dois meses pela Vale, entre as medidas já realizadas estão a perfuração dos poços artesianos. Oito deles já entraram em operação e garantem vazão de 52 litros por segundo (l/s). A captação no ribeirão Cova Danta, em Córrego do Barro, tem capacidade para 96 l/s.

Além disso, ficou acordada a construção de uma adutora em um ponto de captação no Rio Pará que trará água até a Estação de Tratamento de Água (ETA), localizado no bairro Nossa Senhora das Graças em Pará de Minas.

São 47 quilômetros de construção, passando pela zona rural de municípios como Conceição do Pará.

Após realizar vários estudos e analisar o projeto de construção da adutora, as obras tiveram início na primeira semana de outubro. Segundo a mineradora, serão captados 284 l/s, ou seja, um milhão de litros d’água por hora. A mesma vazão que o Município tinha quando captava do Paraopeba.

Vale/Divulgação

Em nota enviada ao Portal GRNEWS, assessoria de comunicação da mineradora Vale informa que passados dois meses após o início das obras, a construção já registra 30% de avanço físico, segundo a mineradora. Na nota, a Vale também explica que entre as intervenções realizadas estão serviços de topografia, escavações, assentamento de tubulação e reaterro.

Dos 47 quilômetros de construção, até agora foram assentados cerca de 5,5 km de tubulação. No total são 7,2 mil tubos de seis a 12 metros de extensão e diâmetro de 500 mm.

Nesta fase da obra, em torno de 300 trabalhadores atuam, sendo que  52% são pessoas contratadas de Pará de Minas e municípios vizinhos, como Conceição do Pará, Nova Serrana e distritos.

Vale/Divulgação

No pico das obras, entre dezembro de 2019 e março de 2020, o número de operários deve chegar a 500, segundo nota divulgada pela Vale.

Vale lembrar que a adutora deverá ficar pronta até julho de 2020, conforme consta no TC firmado com o MPMG.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!