Vereadores reclamam de demora e cobram licitação do transporte coletivo urbano de Pará de Minas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A licitação que definirá a empresa responsável pelo transporte coletivo em Pará de Minas continua dando o que falar e foi novamente assunto na Câmara Municipal de Pará de Minas durante reunião realizada na noite de segunda-feira, 1º de julho. É que alguns membros do Legislativo questionaram a ausência de outras empresas e uma denúncia feita por uma concessionária que sequer participou do certame.

Esta empresa ingressou com uma ação no Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais contestando um dos itens do edital publicado pela prefeitura cujos envelopes foram abertos no dia 4 de junho. Porém, por um problema em um dos documentos entregues pela Turi, única participante da licitação, o processo foi adiado até o dia 17 de junho. Os papéis foram entregues mas por causa da ação, a licitação foi suspensa por tempo indeterminado.

À época o prefeito Elias Diniz (PSD) disse ao Portal GRNEWS que o item seria corrigido e o edital seria lançado novamente. E todo o trâmite deveria ser seguido conforme consta na legislação, o que demoraria em média 45 dias. O vereador Ênio Talma Ferreira de Rezende (PSDB) quer saber o que de fato aconteceu e porque a demora para lançar novo edital:

Ênio Talma Ferreira de Rezende
eniotalmacobraturi

O vereador Antônio Carlos dos Santos (PTB) também questionou a situação e quer respostas da Prefeitura de Pará de Minas:

Antônio Carlos dos Santos
antoniocarloscobraturi

Entre as exigências do edital está a frota, que deve ser de veículos novos e identificados. A vencedora deverá implantar um sistema de bilhetagem eletrônico. Todos os ônibus deverão ser equipados com GPS para monitoramento, ações em tempo real e informações ao usuário. Um sistema wi-fi com tecnologia 4G ou superior deve ser instalado para que o passageiro tenha qualidade de acesso.

Estudos foram feitos para chegar a vários números, entre eles o custo médio do passageiro paraminense, que é R$ 3,65. Por isso a estimativa de valor do bilhete não deve ser menor que esse, a não ser que a concorrente faça ajustes e ofereça um valor de passagem menor, que é o requisito para vencer a licitação.

A reportagem do Portal GRNEWS procurou a Prefeitura de Pará de Minas, por meio da Assessoria de Comunicação Institucional, para saber o posicionamento da gestão municipal sobre o questionamento dos vereadores, mas ninguém se manifestou até esta publicação.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!