Apenas 30% dos consumidores paraminenses receberam restituição; Copasa cria nova forma de cadastro

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A notícia que a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) teria que ressarcir quase 34 mil consumidores alegrou muitos paraminenses no ano passado. Conforme publicado pelo Portal GRNEWS, após o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de Pará de Minas, questionar a decisão de aumentar a taxa de esgoto de 50% para 90% sem consultar autoridades municipais ou até mesmo o MPMG, a Copasa foi obrigada a restituir os consumidores o valor referente a estes 40% cobrados a mais entre setembro de 2012 e abril de 2015.

Para que todos fossem ressarcidos coletivamente, o MPMG fez um acordo com a Copasa para que pagasse aos consumidores os valores devidos, sem necessidade de cada pessoa entrar com uma ação. Isso geraria altos custos tanto para o proprietário do imóvel como também para a estatal.

Após algumas adequações, no dia 2 de março deste ano, a empresa começou a cadastrar os consumidores que tem direito à restituição. O preenchimento dos dados era simples e rápido e somente nos três primeiros dias, cinco mil paraminenses fizeram o cadastro, totalizando na época 15% do total de devolução.

Em seguida a Copasa abriu um posto de atendimento em Pará de Minas, que ficou lotado por quem não conseguiu concluir o cadastro pela internet.  Mas a pandemia do novo coronavírus chegou e o posto teve que ser fechado.

Ainda em março o promotor Delano Azevedo Rodrigues disse ao Portal GRNEWS que na esperança de receber da Copasa muitos paraminenses erraram dados cadastrais e por isso houve atraso no pagamento. Por isso novas ordens de pagamento foram emitidas e 2.066 consumidores tem prazo até 25 de agosto para receber o valor.

Porém, muitos ainda têm dúvidas e querem receber os valores devidos. Por erros cadastrais ou não ter afinidade com a internet, a metade dos moradores que tem direito de ser ressarcidos, ainda não receberam.

Diante da situação, uma nova forma de ressarcimento foi criada. Agora, basta enviar um e-mail para a Copasa informando nome completo, CPF, RG e endereço, que os técnicos irão avaliar o caso e emitir a ordem de pagamento, como contou ao Portal GRNEWS, o promotor Delano Azevedo Rodrigues:

Delano Azevedo Rodrigues
delanoazemail1

Foi feito um convênio entre a agência do banco Itaú de Pará de Minas e a Copasa, e todos os pagamentos serão feitos por lá. Porém, o atendimento será de 200 pessoas por dia para este fim:

Delano Azevedo Rodrigues
delanoazemail2

Quem se cadastrou, mas por algum tipo de erro teve o pagamento negado, também poderá enviar um e-mail para a Copasa que a situação será analisada novamente:

Delano Azevedo Rodrigues
delanoazemail3

A possibilidade de reabertura do posto de atendimento também não está descartada, mas a expectativa é que a maioria receba através das ordens de pagamento antes do fim da pandemia:

Delano Azevedo Rodrigues
delanoazemail4

O Ministério Público de Minas Gerais também tem cobrado periodicamente da Copasa dados sobre pagamentos e Delano Azevedo Rodrigues está acompanhando de perto toda a situação:

Delano Azevedo Rodrigues
delanoazemail5

A Copasa receberá as solicitações dos consumidores paraminenses que devem ser direcionadas para o endereço de e-mail: devolucaoparademinas@copasa.com.br

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!