Profissionais da educação promovem nova manifestação contra reforma da Previdência Social

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


Na manhã desta terça-feira, 28 de março, um grupo de profissionais que atuam na área da educação de Pará de Minas promoveu mais uma manifestação contra o projeto que tramita na Câmara dos Deputados, em Brasília, sobre a reforma da Previdência Social.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter


Os servidores públicos das redes municipal e estadual de ensino percorreram as principais ruas da cidade com faixas, cartazes e panfletos. A mensagem para o governo federal é apenas uma: a retirada do projeto da pauta de votação.

Para os deputados federais o pedido também é apenas um: a derrubada da proposta em plenário. As mensagens foram direcionadas ao deputado federal Eduardo Barbosa (PSDB), que vem acompanhando tudo de perto e faz parte da comissão especial que discute o assunto.

A professora Arlete Maria dos Santos Silva ressalta que a luta é por todas as categorias de trabalhadores. Fazendo as contas, ela perguntou se os jovens de 16 anos terão que começar a trabalhar e contribuir com a Previdência em detrimento do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA):

Arlete Maria dos Santos Silva
arletmaria_manifest

A professora Patrícia Regina Naves de Almeida também acredita que a população deve se manifestar pacificamente contra o pacote de maldades que está sendo discutido em Brasília. Por isso é importante conscientizar a todos:

Patrícia Regina Naves de Almeida
patriciaregina_manifest

Tânia Valeriano Chaves Leite, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal (SITRASERP), explica que parte dos profissionais foi para uma manifestação em Belo Horizonte e por isso o número de pessoas apoiando o movimento em Pará de Minas foi menor:

Tânia Valeriano Chaves Leite
taniavaleriano_manifest

O presidente da república Michel Temer (PMDB-SP) quer incluir no texto da PEC 287 um item que obriga os estados e municípios a fazerem a reforma previdenciária em seis meses. Caso não cumpram a diretriz, serão obrigados a seguir as normas federais.





Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!