Promulgado Fundeb permanente com emenda de Eduardo Barbosa garantindo a educação ao longo da vida

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O Congresso Nacional promulgou, ontem (26), a emenda constitucional (EC 108) que torna permanente o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e aumenta o repasse do governo federal para o fundo. O deputado federal Eduardo Barbosa participou da Sessão Deliberativa Virtual que aprovou a proposta.

A emenda constitucional foi promulgada com a sugestão do deputado Eduardo Barbosa de incluir no artigo 206 da Constituição, que define os princípios do ensino, a garantia do direito à educação e à aprendizagem ao longo da vida, já prevista na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDBN) a partir da Lei nº 13.632, de 6 de março de 2018, originária do Projeto de Lei 5374/2016, de autoria do deputado.  Segundo ele, a Educação ao Longo da Vida (ELV) foi inserida no nosso ordenamento jurídico por meio da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. “Fazer constar a ELV do capítulo sobre Educação da nossa Constituição é muito importante para consolidar esse direito”, afirmou Eduardo Barbosa.

Divulgação

Conheça o novo Fundeb
No ano passado, o Fundeb distribuiu pouco mais de R$ 156 bilhões para a rede pública de ensino. O fundo é responsável por 2/3 do dinheiro investido pelos municípios na educação.

A emenda constitucional aumenta, dos atuais 10% para 23%, o repasse do governo federal para o fundo. O reajuste será feito de forma escalonada: no ano que vem, o índice será de 12%, chegando aos 23% em 2026. Esses recursos irão para estados e municípios que não conseguirem alcançar o valor mínimo aplicado por aluno na educação. Em 2020, nove estados receberam essa complementação.

Profissionais da educação
Relatora da proposta do Fundeb na Câmara, a deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO) destacou o protagonismo do Congresso nessa votação e elogiou os 5% obrigatórios para a educação infantil, dos 13 pontos percentuais a mais colocados na emenda. Ela ressaltou, ainda, a previsão de que pelo menos 70% dessa nova parcela de complementação sejam destinados ao pagamento de salários dos profissionais da educação. Hoje, o piso é de 60%, e somente para professores.

A emenda também prevê que, dentro dessa nova parcela da complementação federal, 15% sejam destinados para investimentos em infraestrutura, melhoria de equipamentos e instalações.

Outros pontos da emenda promulgada estabelecem, por exemplo, que o Custo Aluno-Qualidade, constante no Plano Nacional de Educação, será considerado como parâmetro para o padrão mínimo de qualidade do ensino; e que os entes federados devem redistribuir os recursos entre as unidades de ensino, para diminuir desigualdades dentro de uma mesma rede de ensino. Com informações da Agência Câmara de Notícias.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!