Prefeito não consegue fiscalizar falta de cobrador em ônibus, devia ser humilde e revogar a lei, diz sindicalista

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

No dia 26 de junho de 2017 A Câmara Municipal de Pará de Minas aprovou o Projeto de Lei 55/2017 que proíbe que motoristas acumulem a função de cobrador no transporte coletivo no município.

O projeto foi para o Executivo que sancionou a lei número 6058 de 4 de julho de 2017. Desde então os motoristas da Turi, empresa responsável pelo serviço no município, em tese, não poderiam acumular a função de cobrador. Em setembro do mesmo ano a lei número 6.123 tratou das penalidades caso a empresa descumpra o acordo.

Inicialmente a concessionária que presta o serviço de transporte coletivo municipal é notificada formalmente pelo Executivo. Caso reincida a multa é de R$ 677,00 com correção pelo Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M). Caso seja flagrada descumprindo a lei novamente a multa é duplicada.

Porém, a realidade é completamente diferente. Diariamente surgem denúncias que confirmam que muitos ônibus estão sem cobradores e o motorista fica sobrecarregado com funções acumuladas.

Com a sanção da lei, fica sob responsabilidade da prefeitura de Pará de Minas fiscalizar, o que segundo vereadores e os próprios funcionários da Turi, não ocorre.

O caso está sendo questionado novamente pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário, Francisco Ferreira Borges. Ele não concorda com o acúmulo de funções e garante que a situação não mudou mesmo com a lei em vigor. Ele espera que o poder público tome providências:


Francisco Ferreira Borges
franciscoferreiracobradores1

Para Francisco Ferreira Borges, acumulando a atividade, o motorista não foca somente no trânsito. Quando exerce as duas funções ele tem que contar dinheiro, dar troco, liberar a catraca e ainda dirigir.

O presidente teme a ocorrência de acidentes e garante que o cobrador é principalmente um auxiliar do motorista. Pretende ainda mudar a função nos acordos coletivos desses trabalhadores. Acrescenta que o prefeito Elias Diniz (PSD) não consegue fiscalizar e por isso deveria ter a humildade e revogar a lei:

Francisco Ferreira Borges
franciscoferreiracobradores2

A reportagem do Portal GRNEWS solicitou manifestação sobre o assunto junto a Assessoria de Comunicação da prefeitura de Pará de Minas. Inicialmente recebemos a informação que o prefeito Elias Diniz estava viajando. Até esta publicação não recebemos resposta sobre as afirmações feitas pelo sindicalista Francisco Ferreira Borges.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!