Comitê é informado da adesão ao Minas Consciente e que Pará de Minas não está cumprindo as regras do plano

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Fundado pelo Decreto nº 11.043, o Comitê Gestor do Plano de Prevenção e Contingenciamento em Saúde da Covid-19 tem caráter deliberativo e acompanha a evolução do quadro epidemiológico do novo coronavírus, adotando e fixando medidas de saúde pública para prevenção e controle do contágio e tratamento de pessoas afetadas em Pará de Minas.

Desde o final de março ele está na ativa e tem entre os membros, representantes da Prefeitura de Pará de Minas, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Câmara Municipal e Associação Empresarial de Pará de Minas (Ascipam).

A cada situação diferente durante a pandemia ou quando está próximo ao vencimento de algum decreto, os membros se reúnem para definir novas medidas.

E foi o que aconteceu no final da tarde desta quarta-feira, 22 de julho. Os representantes se reuniram de forma online onde o procurador-geral do Município Hernando Fernandes da Silva apresentou o novo decreto aderindo ao Minas Consciente do Governo de MG, publicado na noite de terça (21), como já divulgado pelo Portal GRNEWS.

Durante sua fala, o prefeito Elias Diniz trouxe uma boa notícia. Os 20 leitos do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC) foram credenciados na tarde desta quarta-feira, 22 julho, pelo Ministério da Saúde, portanto serão pagos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) a partir de agora.

Além disso, ele deixou claro que Pará de Minas só aderiu ao Minas Consciente a partir do momento que o Município recebeu a intimação da Procuradoria-Geral do Estado. Por ter um decreto municipal em vigor, a adesão prática ao plano será a partir de 29 de julho, próxima quarta-feira.

A Promotoria de Justiça da Comarca de Pará de Minas também está acompanhando todas as decisões do Município e tem orientado sobre as medidas.

Elias Diniz também citou a falta de profissionais. Pará de Minas paga atualmente entre R$ 1 mil e R$ 1.100,00 ao intensivista, aquele profissional na linha de frente dos Centros de Tratamento Intensivo (CTI). Já Belo Horizonte e outras cidades maiores pagam pelo plantão R$ 1.800,00 e isso tem feito os profissionais migrarem para estes grandes centros. A cidade já está tendo dificuldades para encontrar médicos.

Já o procurador Hernando Fernandes da Silva explicou aos membros do Comitê os motivos ao aderir ao Minas Consciente e como isso impactará toda a sociedade. Deixou claro que a adequação ocorrerá somente no dia 29 de julho, já que o decreto municipal vence no dia anterior. Além disso, o Município aguarda mudanças no Minas Consciente, já propostas pelo governo estadual. Disse ainda que todos os membros aprovaram as decisões sobre a adesão:

Hernando Fernandes
hernanfernanreuniao2207201

Atualmente a região Oeste, da qual Pará de Minas faz parte, está na Onda Verde onde somente serviços essenciais se mantém abertos. O comércio por exemplo deve ser fechado, assim como academias, salões de beleza, igrejas e outros setores considerados não essenciais. Assim, Pará de Minas aderiu ao Minas Consciente, mas não cumpre o que preconiza o plano estadual determinado pela justiça.

A expectativa do procurador é que novas medidas do governo sejam implantadas no Minas Consciente e o comércio em geral possa funcionar normalmente, como já acontece em Pará de Minas. Mas é importante ressaltar após a consulta pública em vigor, as regras atuais podem mudar ou não dependendo das sugestões recebidas e decisão do governo de acatá-las:

Hernando Fernandes
hernanfernanreuniao2207202

Agora, com números cada vez mais crescentes, cada um deve fazer sua parte. Se possível fique em casa, mas se não der, mantenha distância entre as pessoas, use máscara e álcool em gel. Só saia se for realmente importante.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!