Infecções sexualmente transmissíveis aumentam no período do Carnaval e foliões devem se prevenir

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

No ano de 2015 as notificações de sífilis no Brasil eram de 34,1 casos a cada 100 mil habitantes, em 2018 mais que dobrou. A média foi de 75,8 casos confirmados a cada 100 mil habitantes. Já a Aids, segundo o Ministério da Saúde, se tornou uma epidemia jovem. Enquanto as infecções por HIV caem na população em geral, elas não param de subir nas pessoas abaixo de 35 anos.

A preocupação é geral quando se fala em Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Só de infecção por HIV no Brasil a estimativa é de 40 mil novos casos todos os anos, para uma doença que segue sem cura e mortal caso não seja tratada.

Há ainda a clamídia, segunda doença sexualmente transmissível mais comum, com 126 milhões de novas infecções no mundo.

Todas elas podem facilmente ser evitadas usando apenas uma coisa: o preservativo. Distribuída gratuitamente nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e nos grandes eventos de rua, realizados pelo Brasil afora, a camisinha ainda ajudar a evitar uma gravidez.

Quem faz o alerta é a enfermeira e coordenadora do Centro de Atenção à Saúde da Mulher e da Criança (Casmuc), Juliana Machado:

Juliana Machado
jumachadocarn1

Caso tenha dúvidas se contraiu alguma IST, basta procurar a unidade de saúde mais próxima de casa. Em todas as UBS’s de Pará de Minas há os kits, cujos resultados saem em poucos minutos. Caso seja comprovada alguma infecção, o tratamento já começa na hora.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!