Governo quer acabar com sindicatos e situação é de caos total, afirma presidente da FETTROMINAS

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários, Urbanos, Próprios, Vias Rurais, Públicas e Áreas Internas de Minas Gerais (FETTROMINAS) representa os sindicatos de todo o estado. Além de ser elo entre estes representantes da categoria, auxilia nas negociações coletivas de trabalho e atua na defesa dos direitos dos rodoviários. São 38 filiados em Minas Gerais mas que infelizmente tende a diminuir estes números.

A reforma trabalhista que passou a valer no final de 2017 e a contribuição sindical se tornou opcional. Com isso, muitos trabalhadores não quiseram mais ter um dia de trabalho descontado da folha de pagamento que ia diretamente para o sindicato da sua categoria. Essa cobrança não pode ser feita na folha de pagamento e sim por meio de boleto bancário.

E isso, segundo o presidente da FETTROMINAS Ronaldo Batista de Morais, faz com que muitos sindicatos que ainda não estavam consolidados fechassem as portas. Ele classificou a atual situação como de caos total.

Recentemente visitou Pará de Minas e viu de perto a força do sindicato na cidade, que é exceção neste cenário, já que tem conseguido manter as contas em dia e realizar ações em prol do trabalhador.

Para que os sindicatos não fechem as portas, segundo o presidente da FETTROMINAS, o trabalhador precisa saber da importância de ter alguém que o represente:


Ronaldo Batista de Morais
ronaldobatistafettrominas1

Ronaldo Batista de Morais ainda afirma que o governo quer acabar com os sindicatos que são uma forma organizada de manifestação em prol dos direitos dos trabalhadores:

Ronaldo Batista de Morais
ronaldobatistafettrominas2

Este é o momento do trabalhador se unir, afirma o presidente que defende uma reforma tributária e não previdenciária:

Ronaldo Batista de Morais
ronaldobatistafettrominas3

A proposta de reforma à Previdência, PEC 6/2019, recebeu 277 sugestões de alteração ao texto na comissão que analisa a medida na Câmara dos Deputados. A expectativa é que até 15 de junho seja divulgado o relatório que acata ou não, em parte ou no todo, as emendas.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!