Vereador alega possível quebra de decoro parlamentar e pede a cassação do mandato de Ênio Talma

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Durante a reunião da Câmara Municipal de Pará de Minas realizada na noite desta segunda-feira, 11 de novembro, os vereadores e o público que acompanhava o encontro semanal se assustou com um requerimento feito pelo vereador Mário Justino da Silva (PRB).

Nele, o membro do Legislativo solicita a formação de uma comissão para analisar uma possível quebra de decoro parlamentar por parte do colega Ênio Talma Ferreira de Rezende (PSDB).

De acordo com Mário Justino da Silva, na reunião realizada no dia 5 de novembro, quando o secretário municipal de Saúde Wagner Magesty apresentou balanço do setor no último quadrimestre, Ênio Talma Ferreira de Rezende teria desrespeitado a Câmara e os colegas vereadores em sua fala.

Ênio Talma Ferreira disse que em épocas passadas, vereadores utilizaram a verba indenizatória de maneira errada e isso atrapalhou o benefício. Ele igualou a verba do Legislativo ao projeto de lei, ainda em tramitação, que autoriza as emendas impositivas no Município. Disse que no início elas seriam bem utilizadas, mas depois poderiam se aproveitar dos recursos.

No requerimento, Mário Justino da Silva citou trechos da fala do vereador:


Mário Justino da Silva
mariojustinomandcas1

Ênio Talma Ferreira de Rezende na sexta-feira, 8 de novembro, ele teve conhecimento do pedido do vereador, mas garante não estar preocupado. Salienta que não citou nomes e nem períodos, mas a situação que ocorreu anos atrás é de conhecimento da maioria.

Garante ainda que se nada for provado, entrará com um processo contra o vereador:


Ênio Talma Ferreira de Rezende
eniotalmamandcas1

Ainda nesta semana os líderes de cada partido na Câmara Municipal de Pará de Minas devem indicar um representante que fará parte da comissão que analisará o pedido de cassação do mandato de Ênio Talma Ferreira de Rezende. Documentos serão avaliados e a decisão é repassada ao presidente Dilhermando Rodrigues Filho.

O prazo máximo para análise e decisão final é de 90 dias.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!