Junho Violeta é dedicado à prevenção ao Ceratocone, doença que compromete a visão

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Todo mundo já coçou ou esfregou os olhos em algum momento. Pra muita gente o ato é comum e até automático. Mas o que a maioria não sabe é que esta simples ação pode ter consequências graves: o Ceratocone, doença que afeta uma a cada duas mil pessoas no Brasil.

O Ceratocone é uma doença da córnea, que aumenta a curvatura de forma irregular, ficando num formato de cone. Com isso as imagens ficam distorcidas e nos casos mais graves é preciso transplante de córnea.

A doença, na maioria das vezes, atinge os dois olhos. A irregularidade da córnea leva à miopia e ao astigmatismo. O aparecimento pode estar ligado tanto a fatores genéticos como também o coçar dos olhos com frequência, isso afeta a espessura e o formato ocular.

Por causa da quantidade de casos que tem surgido nos últimos anos foi o criado o Junho Violeta. Com apoio do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, a campanha é para conscientizar as pessoas sobre a doença e como tratá-la.

O médico oftalmologista clínico e cirurgião especialista em Catarata e Ceratocone, Leonardo Torquetti explica como se dá a progressão do Ceratocone:


Leonardo Torquetti
leonardoceratocone1

A doença ocular costuma aparecer na adolescência, especialmente entre os 13 e 18 anos. Mas infelizmente, por causa do desconhecimento é cada vez mais comum aparecer crianças com Ceratocone. Outro fator destacado pelo oftalmologista é a alergia:

Leonardo Torquetti
leonardoceratocone2

A doença é considerada silenciosa, por isso Leonardo Torquetti pede que desde o nascimento todos façam exames de rotina para avaliações:

Leonardo Torquetti
leonardoceratocone3

Ficar atento a mudanças na visão é a melhor forma de diagnosticar alguma anomalia. O diagnóstico precoce traz mais chances de recuperação total:

Leonardo Torquetti
leonardoceratocone4

Para a pessoa diagnosticada com Ceratocone é indicado uso de lentes de contato que ajudam a ajustar a superfície da córnea. Caso o problema piore, o Anel de Ferrara é colocado. Sucesso em 80% dos casos,uma prótese é implantada corrigindo a curvatura. A recuperação visual demora em média três meses e somente em casos mais graves, é feito o transplante da córnea.

Por isso é importante ficar atento a qualquer mudança na visão e procurar o oftalmologista de sua confiança.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!