Abril Marrom quer conscientizar sobre doenças na visão e paraminense cego dá aula de tear chileno

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que existem 39 milhões de pessoas cegas no mundo. Outras 246 milhões têm a chamada baixa visão que é quando apresentam 30% ou menos de visão.

Só no Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) são 528 mil pessoas incapazes de enxergar e seis milhões possuem a baixa visão.

A OMS aponta também que se houvesse um número maior de ações efetivas de prevenção e tratamento, 80% dos casos de cegueira poderiam ser evitados.

E é aí que entra o Abril Marrom. O mês é dedicado a cuidados com doenças que podem causar cegueira como glaucoma e diabetes. Criada em 2016 a campanha tem o objetivo de conscientizar a população.

Mas após um quadro de baixa visão ou até mesmo a cegueira, o jeito é conviver com a deficiência visual e encontrar formas de ter uma vida considerada normal.


E foi isso que Antônio José de Oliveira Neto fez. Muito conhecido dos paraminenses, há nove anos ele trabalha na Escola Municipal de Artes e Ofícios Raimundo Nogueira de Faria (Sica). Por lá passa os dias no tear chileno. As mãos ágeis ajudam a criar tecidos e do talento dele saem forros, tapetes e outros objetos para decoração. Também ensina o ofício a outras pessoas.

Mas nem tudo foi fácil na vida de Antônio. Até os dez anos ele enxergou normalmente e foi na pré-adolescência que se tornou um deficiente visual. Dos 11 aos 26 anos tinha baixa visão e em 1998, quando fez 27 anos, passou a não enxergar mais nada.

Ele teve uveíte, uma doença inflamatória. Nem especialistas conhecem as verdadeiras causas e pode ser por infecção por vírus, bactérias ou fungos. Mas nem isso o abalou. Segundo Antônio Neto o único problema foi não poder mais jogar futebol, paixão antiga da vida dele:

Antônio José de Oliveira Neto
antonionetocego1

Antônio Neto leva uma vida normal. Trabalha em horário comercial dando aulas de tear chileno, faz compras e anda pra todo lado de ônibus urbano.

Mas alerta que a estrutura da cidade ainda não está pronta para as pessoas com alguma deficiência visual. São muitas as dificuldades que eles enfrentam no dia a dia:

Antônio José de Oliveira Neto
antonionetocego2

Muita gente se surpreende quando ouve falar que um cego trabalha com tear chileno. Como uma pessoa que não vê consegue transformar vários fios coloridos em algo realmente bonito e que pode decorar vários ambientes?

Isso sim é o verdadeiro talento e Antônio só precisa de uma ajudinha no começo. Ele pede alguém da Escola para separar as cores, decora em qual lugar está cada rolo de cordão e então faz seu trabalho sozinho:


Antônio José de Oliveira Neto
antonionetocego3

E para andar pelas ruas de Pará de Minas? Antônio Neto é daquelas pessoas que não para quieta e quer andar pra todo lado. Para isso ele tem alguns truques:

Antônio José de Oliveira Neto
antonionetocego4

Ele também anda de ônibus por toda a cidade. Já decorou praticamente todos os trajetos de Pará de Minas. Simpático e brincalhão, Antônio conta que os detalhes ajudam a saber onde está:

Antônio José de Oliveira Neto
antonionetocego5

O Abril Marrom quer conscientizar a população para cuidar dos olhos. O alerta é especialmente para combater a cegueira que pode ser reversível ou irreversível.

A catarata, ceratocone e o deslocamento da retina são causas de cegueira reversíveis. Já o glaucoma, degeneração macular avançada e a retinopatia diabética são causas irreversíveis.

Por isso é importante ir ao oftalmologistapelo menos uma vez ao ano para o diagnóstico precoce e o tratamento adequado.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!