Retomada de captação no Paraopeba pode demorar e dependerá de laudos atestando a qualidade da água

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Agência Reguladora de Água e Esgoto de Pará de Minas (ARSAP) vem sendo alvo de muitas cobranças por parte da população paraminense para que cumpra sua função de fiscalizar a água que abastece o município.

Os críticos do trabalho da ARSAP potencializaram o nível de exigência sobre o trabalho desenvolvido pelos fiscais após o rompimento da barragem da mineradora Vale em Brumadinho, dia 25 de janeiro. Os rejeitos percorreram sete quilômetros e caíram nas águas do rio Paraopeba.

Desde então os paraminenses lamentam bastante a tragédia que vitimou centenas pessoas, causou um dano ambiental irreparável e segundo ambientalistas matou o rio Paraopeba no trecho entre Brumadinho e Pará de Minas. A situação pode piorar se os rejeitos chegarem até a barragem de Três Marias e de lá cair no rio São Francisco.

A população de Pará de Minas também está insegura quanto ao abastecimento de água que era captada no rio Paraopeba, no distrito de Córrego do Barro. A captação naquele local foi suspensa na noite de 29 de janeiro e na manhã de 31 de janeiro o Governo do Estado de Minas Gerais admitiu que a água do rio está contaminada entre Brumadinho e Pará de Minas, oferecendo riscos a saúde humana e animal.

A partir daí intensificaram as cobranças em cima dos fiscais para garantir qualidade da água que abastece a cidade. Por esta razão o gerente de Regulação da ARSAP Frederico Mendes Amaral faz questão de explicar qual é a função da agência:


Frederico Mendes Amaral
fredericofuncao1

Sobre a interrupção de captação de água no Sistema de Abastecimento Paraopeba, a concessionária Águas de Pará de Minas só poderá retomar esse serviço assim que os órgãos fiscalizadores emitirem laudos atestando que a água bruta do Paraopeba está dentro dos parâmetros exigidos pelo Ministério da Saúde para captação e posterior tratamento:

Frederico Mendes Amaral
fredericofuncao2

Sobre a possibilidade de a água do ribeirão Paciência, córrego dos Paivas e poços profundos não ser suficiente para abastece a população de Pará de Minas, o gerente diz que o Governo do Estado de Minas Gerais obrigou a Vale a garantir o abastecimento de água nas regiões atingidas pela tragédia causada pela mineradora:

Frederico Mendes Amaral
fredericofuncao3

O cidadão paraminense que quiser esclarecer alguma dúvida ou fazer denúncia junto a Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgoto (ARSAP), pode ligar para o telefone (37) 3231-1003 ou procurar a sede da agência na Rua Monsenhor Lopes, 35, bairro Nossa Senhora das Graças, em Pará de Minas.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!