Sindicalista ameaça suspender Festa do Frango se tiver que prestar contas e destinar porcentual para o município

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


Os vereadores e representantes do Sindicato Rural Patronal de Pará de Minas (SRPM) se reuniram no fim da tarde desta segunda-feira, 29 de maio, no Plenarinho da Câmara Municipal para discutir o projeto que prevê multa de R$ 46 mil para quem realizar eventos de grande porte no Parque de Exposições Francisco Olivé Diniz e não contratar artistas paraminenses.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O encontro foi proposto pelo vereador Marcos Aurélio dos Santos (DEM), após discussão do assunto durante reunião Ordinária realizada na noite de 15 de maio, com base no projeto do vereador Dilhermando Rodrigues Filho (PSDB) que estipula a multa. Marcos Aurélio dos Santos pediu vistas ao Projeto de Lei 39/2017 que acrescenta critérios para a realização de festas no parque de exposições e propôs o diálogo com os organizadores de eventos.

O autor do projeto tomou a iniciativa de propor a multa ao constatar que durante a realização da exposição agropecuária realizada em abril de 2017, os organizadores não cumpriram determinação da Lei Municipal 6008/2016 que dispõe sobre a obrigatoriedade de contratar artistas paraminenses em todos os eventos a serem realizados no parque de exposições.

A questão envolvendo a contratação dos artistas da terra foi debatida nesta segunda (29). No mesmo encontro, os participantes também trataram de outro projeto de autoria do vereador Ênio Talma Ferreira de Rezende que prevê a destinação de 2% da arrecadação das festas realizadas no parque de exposições para o município.

De acordo com Dilhermando Rodrigues Filho, os representantes do Sindicato Rural pediram um prazo de 15 dias para avaliar o projeto que trata da multa para quem não contratar artistas paraminenses para se apresentarem no parque em eventos de grande porte:


Dilhermando Rodrigues Filho
artistasdilhermando1

O presidente do Sindicato Rural Patronal de Pará de Minas Eugênio Mendes Diniz participou do encontro e reforçou o discurso que ele faz há anos, dizendo que é preciso regulamentar o uso do parque de exposições.

Argumentou que na última festa agropecuária o Sindicato Rural investiu R$ 300 mil em reformas no parque de exposições, que ele considera um patrimônio misto, não apenas do município de Pará de Minas. Citou que outros presidentes que o antecederam também investiram em melhorias naquele espaço de eventos.

Sobre os projetos que tramitam na Câmara Municipal, um prevendo multa de R$ 46 mil caso artistas da terra não sejam contratados em eventos de grande porte e outro que propõe a prestação de contas com a destinação de 2% do valor arrecadado na portaria para o município, o sindicalista não se mostrou disposto a aceitá-los.

Pelo contrário, Eugênio Mendes Diniz ameaça suspender a Festa do Frango e do Suíno se for aprovado o projeto que prevê a prestação de contas dos eventos e a destinação do porcentual arrecadado na portaria:


Eugênio Mendes Diniz
artistaseugeniodiniz

Os vereadores e representantes do Sindicato Rural de Pará de Minas se reunirão novamente em um prazo aproximado de 15 dias para discutir os dois projetos e tentarem chegar a um acordo.

Certo é que a realização de festas de grande porte no Parque de Exposições Francisco Olivé Diniz sempre gerou discussões e dúvidas. Muitos empresários e comerciantes, por exemplo, argumentam que o dinheiro de Pará de Minas vai todo embora com artistas, organizadores e barraqueiros.

Salientam que durante as festas alguns poucos segmentos aumentam o faturamento, como hotéis, enquanto o restante do comércio paraminense enfrenta dificuldades após as festas no parque de exposições, uma vez que boa parte dos consumidores gasta o dinheiro nos eventos e depois não conseguem efetuar suas compras ou pagar o que devem.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!