Burocracia e alto custo dificultam o crescimento da agricultura familiar na região de Pará de Minas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


Quando surgiu a proposta de incremento da agricultura familiar, muitas pessoas que possuem propriedades rurais e sonham em manter um pequeno empreendimento no ramo do agronegócio ficaram interessadas em participar.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Porém, o projeto idealizado pelo Governo Federal através do Programa de Educação Ambiental e Agricultura Familiar (PEAAF). Uma das metas era promover o desenvolvimento rural sustentável.

Mas, as boas ideias que foram colocadas no papel vieram com o entrave da tradicional burocracia governamental. Uma gama de exigências que custam tempo e dinheiro e desmotivam muitas famílias de participar.

De acordo com Kênia Lasmar de Moura, extensionista da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER), os produtores precisam atender a muitos requisitos que limitam a quantidade de funcionários e ditam normas para a produção:

Kênia Lasmar de Moura
kenialasmar_agr1

As questões legais seguem as mesmas exigências de grandes empresas do agronegócio. O único diferencial está nos prazos de adequação às normas sanitárias previstas e não existe uma legislação específica para os pequenos produtores:

Kênia Lasmar de Moura
kenialasmar_agr2

Lucas Silva Jardim, chefe do escritório do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), lembra que no ano de 2012 foi publicada a legislação da agricultura familiar e muitas pessoas criaram uma grande expectativa que não foi atingida:

Lucas Silva Jardim
lucassilvajardim_agr1

As normas e as exigências custam caro para todos os empreendedores e isso dificulta muito o processo. Esses desafios e o custo ligado a atividade fazem com que muitas famílias desistam de produzir:

Lucas Silva Jardim
lucassilvajardim_agr2

Durante três anos o produtor rural Jaime de Carvalho Lopes tentou fazer todas as adequações que a lei da agricultura familiar prevê. Porém, ele conta que o projeto de trabalhar com um abatedouro de frangos esbarra na burocracia e o alto custo financeiro envolvido:

Jaime de Carvalho Lopes
jaimelopes_agr

Os interessados em registrar um empreendimento no segmento de agricultura familiar deverão procurar os escritórios da EMATER e do IMA, ambos funcionam no Parque de Exposições de Pará de Minas.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!