Deflação em apenas um mês é insignificante no Brasil que enfrenta forte crise econômica

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


Durante participação relâmpago na reunião do G20 em Hamburgo, na Alemanha, na última semana, o presidente Michel Temer disse que no Brasil não tem crise econômica e em vídeo também disse que estava trabalhando para “voltar o desemprego”. Neste último caso, certamente foi ato falho que sua equipe não percebeu. Mas quanto à crise econômica, esta sim, continua travando o país como afirmam os especialistas. O mercado financeiro também prevê inflação este ano e crescimento menor do país conforme divulgado nesta segunda-feira, 10 de julho, no Boletim Focus do Banco Central.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A situação do país é instável e preocupante com rebaixamento de notas por parte das agências de classificação de risco. Quanto a inflação, o controle é um problema que sempre precisa ser encarado pelo governo brasileiro. Especialmente com a atual crise econômica enfrentada pelo país, a situação está muito delicada.

Quando os preços caem o consumidor tem a impressão de que a economia melhorou. Tudo fica mais barato e a população acredita que dias melhores virão. Mas, para os economistas isso é enganoso.

No mês de junho deste ano o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) registrou uma deflação de 0,23%. Foi a primeira em um período de 11 anos. Ela ocorre quando os preços de produtos e serviços caem em determinado período.

Trata-se de um movimento contrário ao da inflação que acaba subindo os preços. A deflação também é diferente da chamada desinflação, ou seja, quando os preços sobem em ritmo mais lento.

Uma das principais causas da deflação é a recessão econômica, quando os consumidores compram menos e forçam as empresas a reduzir preços. A deflação é muito ruim quando se torna uma tendência do mercado.

Isso porque os preços caem demais e a maioria das pessoas deixa de consumir e passa a poupar. Elas acreditam que o dinheiro poderá valer mais no futuro e isso proporciona uma nova queda de preços.

O economista Eduardo de Almeida Leite explica os três fenômenos: inflação, desinflação e deflação. São fatos que ocorrem no sistema econômico e que significam diferentes impactos no bolso de todos os cidadãos brasileiros:


Eduardo de Almeida Leite
deflacaoeduardoleite1

Os índices são calculados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em valores médios, levando em consideração de produtos e serviços na vida da população que vive em determinada faixa de renda:

Eduardo de Almeida Leite
deflacaoeduardoleite2

O especialista ressalta que a deflação ocorreu apenas em um mês e não é preocupante. No entanto, se acontecesse durante um período maior seria preocupante para o setor produtivo porque significaria uma estagnação econômica:

Eduardo de Almeida Leite
deflacaoeduardoleite3

Enquanto isso a crise política continua em Brasília, com novas denúncias surgindo a cada dia e afetando a base do governo federal. Essa insegurança também continua afetando muito os investimentos no país.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!