Paraminenses sem transporte coletivo: começa a greve de trabalhadores da Turi por tempo indeterminado

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Desde a tarde de quinta-feira, 4 de abril, que os paraminenses que necessitam do transporte coletivo urbano estavam na expectativa quanto a uma greve anunciada pelos trabalhadores da Turi.

Após reuniões entre o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário de Pará de Minas e representantes da empresa que presta o serviço de transporte coletivo no município, nenhum acordo foi feito e os motoristas e cobradores decidiram pela paralisação.


Eles reivindicam um reajuste que equipare aos salários dos trabalhadores do transporte coletivo de Itaúna, por considerarem que a cidade possui os mesmos parâmetros de Pará de Minas em relação à distância de bairros, números de ônibus, funcionários e jornada de trabalho.

Como o Portal GRNEWS havia publicado na quinta-feira (4), uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) foi realizada na sede do Sindicato e os trabalhadores, ao serem informados que a Turi não reajustaria os salários e queria ainda manter o acordo firmado em 2018, eles optaram pela greve geral, por tempo indeterminado.


O fim de semana passou e a paralisação não aconteceu. Muita gente inclusive questionou se os funcionários teriam mesmo coragem de parar as atividades.

Na segunda-feira (8) a expectativa também era grande. O presidente do Sindicato, Francisco Ferreira Borges, disse que a Turi e os órgãos responsáveis receberam a notificação na manhã de sexta-feira e ninguém se posicionou, muito menos a empresa, onde o sindicato ainda tinha esperanças de uma negociação antes da paralisação.


Sem acordo ou novas negociações, a greve teve início na manhã desta terça-feira, 9 de abril. Motoristas e cobradores da Turi foram trabalhar de manhã desta terça (9) normalmente, pegaram os passageiros nos pontos, levaram ao Centro da cidade e dirigiram até a Rua Nova Serrana, no bairro Nossa Senhora de Lourdes. Ali pararam e pacificamente desceram dos cerca de 25 ônibus e pararam as atividades.

Já no Centro da cidade, próximo a um ponto de ônibus da Praça Torquato de Almeida ficaram outros motoristas e representantes do Sindicato de Pará de Minas e também da região, que vieram apoiar os trabalhadores.

Francisco Ferreira Borges tem acompanhado a manifestação que continuará pacífica, em busca dos direitos da classe. Ressalta que inclusive a população tem apoiado esta paralisação:


Francisco Ferreira Borges
chicogreve1

Todos os ônibus pararam as atividades de manhã. À tarde, como o Portal GRNEWS já havia anunciado, haverá uma reunião no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MG) em Belo Horizonte com o Sindicato e a Turi. Mas o presidente garante: a greve só vai terminar quando as reivindicações dos trabalhadores forem atendidas:

Francisco Ferreira Borges
chicogreve2


A greve é apoiada pela Federação Nacional dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário. E nesta terça-feira estão na cidade representantes da Federação. A paralisação ganhou força também com a chegada de presidentes e secretários de sindicatos de outras partes do Estado:

Francisco Ferreira Borges
chicogreve3

O vice-presidente da Federação dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário e presidente do Sindicato de Divinópolis, Erivaldo Adami da Silva, também prestou sua solidariedade aos trabalhadores e está em Pará de Minas nesta terça-feira. Segundo ele, a Turi tem que valorizar os funcionários e no mínimo dar o reajuste aos trabalhadores:


Erivaldo Adami da Silva
erivaldogreve1


Geraldo de Melo Ferreira é presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Lavras. Ele fez questão de participar da paralisação e especialmente apoiar os funcionários. E garante que só sairão quando o acordo for fechado:


Geraldo de Melo Ferreira
geraldogreve1

Ranger de Souza Paulino é secretário do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Varginha. Veio a Pará de Minas mostrar o apoio aos motoristas e cobradores. Ele espera que a população compreenda o motivo da paralisação:


Ranger de Souza Paulino
rangergreve1


Ele destaca que a paralisação é pacífica e o único intuito é mostrar à população, poder público e Turi a insatisfação dos trabalhadores:

Ranger de Souza Paulino
rangergreve2

Sueli Santos Valério Valentim é usuária do transporte coletivo em Pará de Minas e mora do bairro Padre Libério. Com a greve ela encontrou uma forma de chegar em casa e apoia a paralisação:


Sueli Santos Valério Valentim
sueligreve1


O gerente da Turi José Romeu Fiuza disse ontem que a empresa conseguiu liminar garantindo 50% dos ônibus rodando, mas na manhã desta terça (9), 100% dos ônibus estavam parados em Pará de Minas. A audiência de conciliação na Justiça do Trabalho em Belo Horizonte está marcada para o fim da tarde desta terça-feira, 9 de abril.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

Don`t copy text!