Elias Diniz quebra o silêncio sobre fechamento do HNSC destacando plano B para não desamparar paraminenses

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


Passados vários dias desde o encerramento dos plantões do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), uma solução ainda não foi encontrada. Enquanto isso a população está preocupada com o impasse.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O único hospital de Pará de Minas encerrou os plantões de urgência e emergência. Não estão sendo prestados serviços atendimento de pediatria, ortopedia, maternidade, pronto socorro e anestesia.

Apenas a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está funcionando na instituição. A portaria principal do HNSC está fechada e com um aviso assinado pelo provedor Osvaldo Alves Leite e o diretor Técnico-Médico Gilberto Denoziro Valadares da Silva.

Enquanto o HNSC alega falta de recursos para atender aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), a Secretaria Municipal de Saúde justifica a falta de acordo devido ao modelo de gestão.

Desde o começo desta semana a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas vem atendendo toda a demanda de urgência e emergência de Pará de Minas. A estrutura não comporta, mas é a única atualmente.

O prefeito Elias Diniz (PSD) estava calado sobre o assunto. Ele finalmente quebrou o silêncio após receber várias críticas, principalmente dos vereadores durante a reunião Ordinária da Câmara Municipal.

Apesar de afirmar que ainda vai falar com mais calma sobre o hospital posteriormente, ele concorda que a questão é delicada e precisa ser tratada com responsabilidade. Assegura que a população não ficará desamparada:


Elias Diniz
hnscElias1

Cita a execução de um plano B para atendimento de todos os casos de urgência e emergência. Confirma a realização de um parto na UPA e o encaminhamento dos pacientes para hospitais da região:

Elias Diniz
hnscElias2

A direção do Hospital Nossa Senhora da Conceição afirma que os atrasos no envio de recursos do governo estadual para a Rede Resposta e a interrupção do pagamento da subvenção de R$ 170 mil por parte do município foram o estopim para que a unidade fechasse as portas.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!