Calamidade financeira atinge em cheio os municípios e Antônio Júlio está cada vez mais preocupado

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

antjul_mnfst
Na semana passada o prefeito de Pará de Minas e presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Antônio Júlio de Faria, participou do II Encontro Nacional de Municípios, em Brasília.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Participaram do evento alguns ministros do Governo Federal e representantes dos movimentos municipalistas. Em pauta a discussão os efeitos da grave crise financeira, bem como a crise política. Antônio Júlio de Faria também participou de reunião com a presidente Dilma Rousseff.

As autoridades fizeram um balanço da real situação e apresentaram propostas para retomada dos investimentos e do crescimento. As medidas a serem adotadas deverão ser drásticas e a situação é gravíssima.

Esta é a avaliação de Antônio Júlio de Faria. Para ele não existe qualquer perspectiva de melhorias em um curto período de tempo. O grande problema é que os municípios estão sem recursos para manter os serviços públicos:

Antônio Júlio de Faria
antjul_brsl1

O presidente da AMM informou que cada vez mais municípios vêm decretando estado de calamidade financeira. Muitos gestores públicos estão demitindo servidores para diminuir os custos com a folha de pagamento e o equilíbrio das contas:

Antônio Júlio de Faria
antjul_brsl2

Antônio Júlio de Faria afirma que já fez cortes no quadro do funcionalismo público municipal e não vê uma saída para os entraves. Ele cita como exemplo o caos instalado no município de Betim, que anunciou o fechamento de algumas Unidades Básicas de Saúde:

Antônio Júlio de Faria
antjul_brsl3

Sobre a votação do projeto que volta a cobrança da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), o líder do movimento municipalista não acredita que a proposta seja votada no Congresso Nacional devido à instabilidade política:

Antônio Júlio de Faria
antjul_brsl4

A falta de confiança no governo de Dilma Rousseff (PT) vem fazendo com que os grandes investidores não injetem recursos na economia do país. Com isso os setores produtivos são comprometidos e começam a demitir, aumentando a taxa de desemprego.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!