Pequenas empresas contribuem diretamente na geração de empregos e só setor de Construção Civil mantém saldo negativo em Pará de Minas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Mensalmente o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulga como anda o mercado de trabalho em todo o país, analisando quais setores admitiram ou demitiram mais trabalhadores.

Em 2021, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus, Pará de Minas tem se saído bem. Abril foi o mês com menor número de contratações, mesmo assim fechou com saldo positivo. Como o Portal GRNEWS adiantou, foram 779 trabalhadores contratados e 763 demitidos, ou seja, 16 novos postos de trabalho criados.

A Indústria foi o setor com maior número de contratações na cidade, seguido pelo de Serviços e Agropecuária.

Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MG), as micro e pequenas empresas acumularam um saldo de mais de 74 mil vagas com carteira assinada em Minas Gerais, ficando o estado na segunda posição com melhor saldo de emprego.

A tendência também é vista em Pará de Minas, já que no setor de Serviços muitos são considerados micro e pequenas empresas. Estudo feito pelo Sebrae também aponta que estes empresários foram responsáveis por 11% do saldo de empregos em todo o país nos primeiros quatro meses do ano.

O Portal GRNEWS ouviu a analista do Sebrae Gabriela Martinez, que destaca a importância dos pequenos negócios na geração de emprego e renda:

Gabriela Martinez
gabrielamartsaldocag1

Nos quatro primeiros meses de 2021, a Indústria e o setor de Serviços foram os que tiveram melhor saldo de emprego em todo o estado. Assim também é em Pará de Minas. No acumulado do ano, até agora, a cidade admitiu 4.213 trabalhadores, enquanto demitiu 3.546 pessoas, saldo de 667 novos postos de trabalho.

Neste ano, foram 364 pessoas contratadas a mais na Indústria, 228 no setor de Serviços, 86 novos trabalhadores no Comércio e 34 na Agropecuária. Pará de Minas tem saldo negativo de empregos somente na área da Construção, com 45 trabalhadores demitidos que não tiveram a carteira de trabalho assinada novamente.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!