Morador de rua volta a pedir esmolas na Ponte Grande após período de internação compulsória

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


No dia 30 de outubro foi realizada uma reunião entre representantes de entidades e do poder público municipal na sede da Associação Empresarial de Pará de Minas (ASCIPAM), localizada no Centro.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Os participantes discutiram medidas para ajudar um morador de rua que estava pedindo esmolas nos estabelecimentos comerciais na avenida Presidente Vargas, próximo a Ponte Grande.

O rapaz estava entrando nas lojas e lanchonetes para pedir dinheiro e com isso os clientes se sentiam intimidados. Muitos deixavam o local com medo por causa da abordagem do andarilho.

Foi verificada a necessidade de internação do pedinte, pois a própria família dele manifestou preocupação através das redes sociais. Todos pediram ajuda para que o homem fosse internado e passasse por um tratamento.

Após a reunião foi decidida a internação compulsória do indivíduo. Ele foi encaminhado ao hospital Galba Veloso depois que um policial militar acionou uma assistente social, que procurou um médico psiquiatra.

A internação foi por um período de apenas 45 dias e agora o cidadão está de volta às ruas novamente. José Misael de Almeida, presidente da ASCIPAM, disse que já teve informações sobre o pedinte.

Ele espera que o secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Vilson Antônio dos Santos, tome as providências cabíveis para ajudar o morador de rua que está mais agitado e caminhando pelas ruas correndo o risco de ser atropelado, pois a todo momento ele entra na frente dos veículos:


José Misael de Almeida
moradorderuamisael

A reportagem do Portal GRNEWS conversou (por telefone) com o secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Vilson Antônio dos Santos. Ele contou que na área de assistência social tudo já foi feito para ajudar o morador de rua. Entretanto, o cidadão se nega a ser ajudado.

Por último, ele foi encaminhado para tratamento no CAPS AD. Mas quando ele passa consulta e recebe a receita com medicamentos indicados para o tratamento, ele rasga a receita, se recusando a tomar os remédios. Também afirma categoricamente que quer ficar na rua. Dessa forma, fica difícil ajudá-lo.

O Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop) realiza um excelente trabalho em Pará de Minas. Porém, neste caso o pedinte precisa ser internado e submetido a um tratamento psiquiátrico.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!