Falta fiscalização para fazer cumprir lei que obriga a presença de cobradores nos ônibus coletivos em Pará de Minas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


A Câmara Municipal de Pará de Minas aprovou no dia 26 de junho de 2017 o Projeto de Lei 55/2017 que proíbe o acúmulo da função de trocador por parte dos motoristas de ônibus coletivos, proposto pelo vereador Antônio Carlos dos Santos (PTB)

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Posteriormente os vereadores aprovaram no dia 4 de julho de 2017 o Projeto de Lei 143/2017 que altera o artigo 2º da Lei 6058, que dispõe sobre proibição de atividade concomitante de motorista e cobrador de passagens em transportes coletivos urbanos. Com isso ficou definido multa para as empresas que não colocarem cobradores nos ônibus coletivos.

Em uma ação realizada no ponto de ônibus localizado na praça Torquato de Almeida, no dia 3 de agosto de 2017, ficou constatado que 80% dos ônibus fiscalizados não contavam com cobrador, ou seja, a empresa estava descumprindo a lei municipal aprovada pelos vereadores e sancionada pelo prefeito Elias Diniz (PSD).

Como o problema persiste, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Pará de Minas, Francisco Ferreira Borges, cobra fiscalização por parte da prefeitura e que faça a empresa cumprir a legislação:

Francisco Ferreira Borges
franciscoborgescobradores1


Ele cita como exemplo, um acidente envolvendo um ônibus no fim da noite de terça-feira, 9 de janeiro, que caiu na trincheira existente no cruzamento das avenidas Babita Camargos com General David Sarnoff, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Por sorte não passava nenhum veículo no momento da queda do ônibus. Oito pessoas ficaram feridas, mas nenhuma corre risco de morte.

De acordo com informações colhidas no local, o motorista estava sozinho no ônibus, sem a ajuda de um cobrador, e discutia com duas mulheres que não queriam pagar. Em certo momento ele perdeu o controle da direção e o ônibus caiu na trincheira:

Francisco Ferreira Borges
franciscoborgescobradores2

O sindicalista afirma que motoristas estão sendo ameaçadas por usuários do transporte coletivo urbano em Pará de Minas, porque as pessoas estão chegando atrasados no trabalho. Ele cobra uma atitude do prefeito Elias Diniz para intensificar a fiscalização e fazer cumprir a lei que ele sancionou:

Francisco Ferreira Borges
franciscoborgescobradores3

Francisco Ferreira Borges não concorda com o argumento da empresa no qual afirma que algumas linhas são deficitárias e por isso podem rodar apenas com o motorista:

Francisco Ferreira Borges
franciscoborgescobradores4

A população reclama com frequência dos atrasos e da falta de fiscalização no transporte coletivo urbano em Pará de Minas por parte da prefeitura que é o poder concedente desse serviço público.

Os usuários também se queixam que o município tem uma das passagens de ônibus coletivo urbano mais cara do estado de Minas Gerais, paga adiantado na maioria das vezes, mesmo assim o transporte deixa a desejar.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!