Mananciais secos refletem a grave crise hídrica e provoca racionamento de água em vários municípios

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


Nos últimos anos a região Centro-Oeste de Minas Gerais tem sofrido com a longa estiagem provocada pela falta de chuvas. Em Pará de Minas foi necessário adotar o racionamento no fornecimento de água, especialmente nos anos de 2013 e 2014, quando a crise atingiu o ápice e impôs grande sofrimento aos paraminenses.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Com os investimentos de aproximadamente R$ 40 milhões para construir a rede adutora que capta água no rio Paraopeba o problema da falta d’água foi sanado no município.

De acordo com a concessionária Águas de Pará de Minas, o sistema Paraopeba está atendendo toda a demanda dos paraminenses graças aos investimentos feitos, pois, o ribeirão Paciência e o córrego dos Paivas que abasteciam a cidade estão quase secos.


Municípios vizinhos como Bom Despacho, Lagoa da Prata, Formiga e Carmo do Cajuru já estão adotando manobras no fornecimento de água para a população. Também falta água em Sítio Novo, que pertence ao município de Mateus Leme. O desabastecimento também é irregular em muitos bairros de Divinópolis e em municípios da região metropolitana de Belo Horizonte. A crise hídrica voltou a trazer grandes prejuízos para os consumidores.

Como a grande maioria das atividades do cotidiano depende de água, é indispensável economizar o máximo possível. Muitas famílias também aprenderam a reutilizar a água em casa.

De acordo com o Cabo Adriano Dutra, da Polícia Militar de Meio Ambiente de Pará de Minas, os pequenos cursos d’água da região estão praticamente secos. Já os córregos e ribeirões estão com a vazão muito baixa:

Cabo Adriano Dutra
secacaboadriano1

O militar aproveita a oportunidade para orientar os produtores rurais a não permitirem que o gado pisoteie as áreas de nascentes. Ressalta que a população precisa evitar o desperdício para que não falte água:


Cabo Adriano Dutra
secacaboadriano2

Sobre os poços artesianos na região, o número de perfurações cresceu muito devido a falta de água. Mas é preciso entrar com o pedido na Superintendência Regional de Regularização Ambiental (SUPRAM) em Divinópolis e fazer a solicitação da outorga para retirada da água:

Cabo Adriano Dutra
secacaboadriano3

A Polícia Militar de Meio Ambiente continua fiscalizando o cumprimento da legislação ambiental nas propriedades rurais. Antes de exercer qualquer atividade é importante conhecer e obedecer às exigências previstas em lei.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!