Denúncias contra Temer e Aécio Neves intensificam crise política e abalam economia brasileira

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


As denúncias envolvendo o presidente Michel Temer (PMDB-SP) divulgadas pelo colunista Lauro Jardim do jornal O Globo, na noite de quarta-feira (17), abalou novamente o país. Outros nomes da política como os senadores Aécio Neves (PSDB) e Zezé Perrela (PMDB) também foram denunciados.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Nesta quinta-feira (18) Aécio Neves teve o mandato suspenso e os membros do PSDB já tem novo presidente nacional. Na tarde desta quinta (18) Aécio Neves se licenciou do cargo de presidente do partido para se dedicar a sua defesa nos processos em que é investigado e indicou para o cargo o senador Tasso Jereissati, do Ceará.

As denúncias constam na delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, proprietários do grupo JBS, investigados na Operação Lava Jato, e foram homologadas nesta quinta (18) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin.

Os irmãos entregaram aos investigadores uma gravação em que Joesley conta a Temer que estava dando ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao doleiro Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados.

As gravações foram feitas com o aval da Polícia Federal e da Procuradoria Geral da República. Michel Temer teria apoiado a suposta operação de compra de silêncio de Eduardo Cunha.

O ministro Edson Fachin também autorizou nesta quinta (18) a abertura de inquérito contra Michel Temer. Com isso o presidente se torna oficialmente investigado pela Lava Jato.

O presidente da República pode ser acusado de ter cometido o crime de obstrução da Justiça no exercício do mandato. Isso poderá comprometer sua sustentação política e a permanência na função do Poder Executivo. Na tarde desta quinta (18), Michel Temer fez um pronunciamento e descartou a possibilidade de renunciar o cargo.

O mercado financeiro despencou diante das denúncias divulgadas. A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA) durante o dia devido a drástica queda nas ações negociadas. Já o dólar teve alta expressiva.

A crise política que parecia estar estabilizada aflorou novamente e com mais intensidade. O clima no Congresso Nacional está tenso e a oposição ameaça obstruir todas as votações de interesse do governo até que a situação seja resolvida.

A economia reagiu negativamente aos escândalos que entraram para a história do país. De acordo com o economista Eduardo de Almeida Leite, o Brasil vinha começando a sair da recessão e infelizmente estourou mais uma crise política que poderá ter desfechos imprevisíveis:

Eduardo de Almeida Leite
denunciaeduardodealmeidaleite1

Em caso de saída do presidente Michel Temer o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia assumiria o cargo e no prazo de 30 dias o presidente do Congresso Nacional Eunício Oliveira teria que convocar novas eleições indiretas. Ou seja, o novo comandante do país seria eleito pelo Congresso Nacional. Vale ressaltar que tanto Rodrigo Maia, quanto Eunício Oliveira são alvos de investigações na Lava Jato.

A abertura de um processo de impeachment pode ser demorada, apesar de vários pedidos já protocolados na Câmara dos Deputados. Outra opção é a cassação do presidente através do processo que está tramitando no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na denúncia o PSDB pede a cassação da chapa Dilma-Temer. O julgamento será retomado pelo TSE dia 6 de junho. A data parece próxima, mas para o mercado financeiro é uma eternidade.

Para o economista Eduardo de Almeida Leite a solução mais rápida seria a renúncia do presidente da República e a escolha de um novo nome para assumir o Brasil até as eleições que serão realizadas em outubro de 2018:


Eduardo de Almeida Leite
denunciaeduardodealmeidaleite2

Em relação às eleições diretas, o pleito dessa envergadura não está previsto na Constituição Federal. Isso exige a aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para realizar eleições este ano:

Eduardo de Almeida Leite
denunciaeduardodealmeidaleite3

Essa possibilidade de votar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) ganha força e poderá ser analisada na terça-feira, 23 de maio, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Se for aprovada pela comissão e plenário, a proposta prevê a realização rápida de eleições diretas para presidente da República, em caso de vacância do cargo.

Caso fique comprovado que Michel Temer tenha incentivado Joesley Batista a comprar o silêncio de Eduardo Cunha, ele pode ser cassado por crime de responsabilidade e condenado no Supremo Tribunal Federal (STF) por crime comum.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!