Família de paciente do HNSC com morte encefálica doa órgãos para transplantes e beneficia quatro pessoas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A equipe do Hospital Nossa Senhora da Conceição de Pará de Minas (HNSC) está muito feliz com o resultado do trabalho realizado nesta sexta-feira, 11 de janeiro, com as retiradas das córneas e rins de um paciente com morte encefálica, que beneficiarão quatro pessoas.

ASCOM/Prefeitura de Pará de Minas

A retirada dos órgãos foi feita pela equipe do MG Transplantes que chegou à Pará de Minas em uma aeronave do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) e se deslocou rapidamente para uma sala do centro cirúrgico que já havia sido preparada pelos profissionais do HNSC que cumpriram todos os protocolos exigidos para concretizar a doação dos órgãos.

Um dos integrantes da equipe do MG Transplantes que esteve em Pará de Minas é o médico cirurgião Silvério Garcia. Ele destaca que é preciso seguir diversos protocolos para a doação de órgãos que devem ser retirados o quanto antes. Cita ainda a grandeza da família do paciente cujos órgãos doados serão transplantados em quatro pessoas:

ASCOM/Prefeitura de Pará de Minas

Silvério Garcia
siveriogarciatransplante1

A cardiologista e diretora técnica-médica do Hospital Nossa Senhora da Conceição Silvânia Zenóbio, afirma que a última coleta de órgão para transplante no HNSC ocorreu há cerca de 20 anos. Há época foi coletado um rim para doação.

Felizmente nesta sexta-feira, 11 de janeiro de 2019, a equipe do HNSC conseguiu cumprir todos os protocolos exigidos pelo MG Transplantes, sendo possível retirar os rins e córneas do paciente com morte encefálica para doação:

ASCOM/Prefeitura de Pará de Minas

Silvânia Zenóbio
silvaniazenobiotransplante1

O secretário municipal de Saúde Paulo Duarte afirma que toda equipe do HNSC ficou muito satisfeita com o resultado dos procedimentos realizados nesta sexta (11) para retirada de órgãos do paciente para doação.

Disse ainda que desde o início da intervenção existem conversas com o MG Transplantes para que o Hospital Nossa Senhora da Conceição pudesse ser um parceiro para ajudar a quem precisa de órgãos para transplantes. Foram feitas tentativas anteriores, mas sem êxito. Hoje tudo correu bem o paciente com morte encefálica vai ajudar quatro pessoas que precisam de córneas e rins:

ASCOM/Prefeitura de Pará de Minas

Paulo Duarte
pauloduartetransplantes1

A cardiologista e diretora técnica-médica do Hospital Nossa Senhora da Conceição Silvânia Zenóbio disse ainda que os órgãos que podem ser transplantados são: córnea, esclera, pulmão, coração, rim, fígado e pele são os mais frequentes utilizados nos transplantes.

Sobre o MG Transplantes
O MG Transplantes é composto pela Central Estadual de Transplantes (CET) e pelas Organizações de Procura de Órgãos (OPO’s). É responsável por coordenar a política de transplantes de órgãos e tecidos no Estado de Minas Gerais, regulando o processo de notificação, doação, distribuição e logística, avaliando resultados e capacitando hospitais e profissionais afins na atividade de transplantes.

A doação de órgãos e sua destinação para transplante é coordenada em Minas Gerais pelo MG Transplantes, que é responsável pela captação e distribuição de órgãos em todo o Estado, por meio da Central Estadual de Transplantes (CET).

ASCOM/Prefeitura de Pará de Minas

Há três tipos de doadores, o doador em Morte Encefálica, o doador vivo e o doador de coração parado. É importante comunicar à família o desejo de ser doador, não é necessário deixar nada por escrito. Podem ser doados os seguintes órgãos e tecidos: córneas, coração, pulmões, rins, fígado, pâncreas, intestinos, pele e tecidos musculoesqueléticos. O doador vivo é qualquer pessoa saudável que concorde com a doação, sem comprometimento de sua saúde e aptidões vitais. Por lei, podem ser cônjuges e parentes até o quarto grau.

Os doadores vivos podem doar um dos rins, a medula óssea, uma parte do fígado e uma parte do pulmão. O potencial doador vivo também deve ser encaminhado a um Centro Transplantador, para que se verifique as possibilidades do transplante. A retirada de tecidos e órgãos de doador falecido para transplantes depende da autorização do cônjuge ou parentes até o segundo grau, que são consultados após o diagnóstico de morte encefálica (parada total e irreversível do cérebro, atestado por diversos exames).

Quando o paciente está em quadro de morte encefálica,  podem ser retirados todos os órgãos passíveis de doação. Com o coração parado é possível doar apenas as córneas, que podem ser retiradas num prazo de até seis horas. Para entrar na lista de receptores de órgãos e transplante é preciso ser encaminhado por um médico para um dos Centros Transplantadores. O paciente é submetido a vários exames, que variam conforme o caso clínico, para que seja comprovada a necessidade do transplante.

Para a realização do transplante, há uma lista única do Estado de Minas Gerais, sob a responsabilidade do MG Transplantes, em que são observados vários critérios: urgência, compatibilidade de grupo sanguíneo, compatibilidade anatômica (tamanho do órgão e do paciente), compatibilidade genética, idade do paciente, tempo de espera, dentre outros critérios.

O MG Transplantes está localizado na Avenida Professor Alfredo Balena, 400, 1º andar, Santa Efigênia, Belo Horizonte/MG. Contatos podem ser feitos pelos telefones (31) 3219-9200 e 3219-9201. Também tem a linha de orientação à população 0800-283-7183 e quem preferir pode enviar mensagem para o e-mail: mgtransplantes@saude.mg.gov.br

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!