Força-tarefa combate focos do transmissor da dengue nos bairros Padre Libério e São Paulo

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


O serviço de combate ao mosquito Aedes aegypti é realizado durante todo o ano. As campanhas de conscientização são constantes, visando o apoio de toda a população as ações desenvolvidas pelo poder público.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Equipes de agentes de Combate a Endemias trabalham arduamente para verificar reservatórios de água parada em residências, empresas e órgãos públicos. Depois de detectados, os criadouros são eliminados de imediato.

O município já enfrentou uma epidemia de dengue no passado. Nos casos mais simples as pessoas tiveram febre alta e fortes dores pelo corpo. A dengue também matou pessoas em Pará de Minas.

O grande problema eram as caixas d’água que os moradores utilizaram durante o racionamento de água em Pará de Minas. Sem os devidos cuidados, esses reservatórios serviram para a proliferação dos mosquitos.

A situação está controlada graças ao empenho da Secretaria Municipal de Saúde. Uma das medidas tomadas sãos as forças-tarefas de limpeza nos bairros e o último a receber as equipes foi o Residencial Capanema.

Nesta sexta-feira e sábado, dias 15 e 16 de junho respectivamente, será realizado mais um trabalho intensivo de recolhimento de materiais. Os servidores da prefeitura atuarão nos bairros Padre Libério e São Paulo.

De acordo com Adílson José Batista, chefe do departamento de Combate a Endemias, os moradores devem colocar todos os materiais que acumulam água parada ou entulhos de construção na calçada:


Adílson José Batista
forcatarefapladilsonbatista1

O índice de infestação em Pará de Minas preocupa. Existem muitos imóveis fechados que os agentes não conseguem visitar por causa da forte resistência dos proprietários:

Adílson José Batista
forcatarefapladilsonbatista2

De acordo com o Ministério da Saúde o índice de infestação do mosquito Aedes aegypti nos municípios é de no máximo 1%. Com base nessa porcentagem a probabilidade de uma epidemia é muito remota.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE