Em 10 anos mercado de trabalho para cuidadores de idosos cresce 547%

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O envelhecimento da população aliado à redução do tamanho das famílias brasileiras pode explicar o aumento no número de cuidadores de idosos na última década: a quantidade desse tipo de ocupação saltou de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017 representando um crescimento de 547% durante o período.

E não é para menos. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que, de 1940 a 2016, a expectativa de vida do brasileiro aumentou em mais de 30 anos, sendo hoje de 75,8 anos. “A procura por esse tipo de profissional está diretamente ligada a esse índice. Hoje, 15% da população brasileira é de idosos e, até 2030, a expectativa é chegar a 25%”, explica a professora do curso de Serviço Social do Centro Universitário Internacional Uninter, Denise de Almeida.

Regulamentação
O crescimento e a formalização desse mercado, no entanto, esbarram na falta de regulamentação e de capacitação adequada dos profissionais. Como a ocupação ainda não foi regulamentada como uma profissão, não há regras claras sobre a formação mínima que deveria ser exigida nem qual seria o conteúdo obrigatório dos cursos.

Um Projeto de Lei tramita na Câmara para criar e regulamentar a profissão de cuidador não só de idosos, mas de crianças e de pessoas com deficiência ou doença rara. Há também um Projeto de Lei do Senado Federal para determinar as atribuições de quem desempenha essa função.

“Observamos um grande número de profissionais da saúde, como técnico de enfermagem, por exemplo, que estão exercendo a função. Mas em alguns casos, ele não é especialista em cuidar de idosos ou não possui alguma formação na área de geriatria. Ainda há poucos cursos na área disponíveis no Brasil e a formação é considerada média”, avalia.

Diante desse cenário, os pré-requisitos e o perfil de quem atua como cuidador de idoso estão relacionados apenas na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). De acordo com o texto, devem ser contratados maiores de idade, que fizeram cursos livres com duração entre 80 e 160 horas e que demonstrem empatia e paciência.

“O profissional deve dialogar com o paciente para estabelecer um vínculo e fazê-lo sentir-se parte de um grupo. Além disso, é importante conhecer a rotina da família e como todos se organizam diante da situação. Entre as principais atividades estão os cuidados com higiene, medicação e descarte de materiais, bem como cuidados com alimentação e ao risco de queda”, observa Denise.

Don`t copy text!