Produtor rural mineiro usa criatividade e fabrica suas próprias máquinas

Existe um ditado popular que diz que não há melhor mestra que a necessidade. E foi isso que aconteceu com o produtor rural Antônio da Silva Andrade. Buscando diminuir as despesas da alimentação do gado de leite, facilitar e agilizar o trabalho no Sítio da Esperança, em São João da Lagoa, região Norte de Minas, o agricultor teve a ideia de criar algumas engenhocas como uma máquina para encher silo, brete, adubador e arco para aproveitar lona.

O produtor conta que procurava uma alternativa para reduzir os custos com a alimentação do gado, mas para fazer a silagem de modo tradicional teria uma despesa maior e também levaria mais tempo. Assim, teve a ideia de pegar algumas peças que estavam sem uso para montar a máquina. “Eu pensei: tenho condições de fazer, peguei só coisa velha, um redutor, um eixo de caminhão e adaptei na picadeira”.

O agricultor relata que levou trinta dias para montar a máquina e já ensacou aproximadamente 40 toneladas de alimentos para o gado. Além disso, a invenção ajudou a reduzir o tempo de trabalho. Com madeiras e troncos, Antônio conseguiu contornar mais uma dificuldade: a de manter as vacas quietas no momento da inseminação artificial. “Precisava de encontrar um meio de deixar a vaca imóvel para facilitar a inseminação, então, tive a ideia de criar uma parte de um brete, por isso chamei de pré-brete”, relata.

O pré-brete criado pelo agricultor é bem semelhante ao tradicional, utilizado para conter os animais. Possui tronco de contenção, paredes laterais e porta de entrada/saída.

Outras atividades que precisavam de melhorias na propriedade eram adubação e a semeadura. Elas eram feitas manualmente. Mas, segundo Antônio Andrade, o processo não produzia o resultado pretendido. Então, mais uma vez, o produtor-inventor usou a criatividade e montou uma engenhoca que serve tanto para adubar quanto para semear.

Para construir a engenhoca, ele utilizou peça de tanquinho, embreagem, tampa de panela e peças de bicicleta. Antônio Andrade conta que agora, além do resultado do trabalho sair de acordo com as expectativas, ele consegue adubar ou plantar uma área com o tempo mais reduzido.

E como o agricultor gosta de aproveitar os recursos que tem para fazer as engenhocas, podendo assim economizar e facilitar o trabalho, ao ter a ideia da geringonça para guardar lonas usadas na propriedade. Ele aproveitou um arco de ferro. “ Essa geringonça é bem simples, visto a lona na estrutura e travo com o ferro que está na lateral”, explica.

O extensionista da Emater-MG Diógenes Maurílio explica que presta assistência ao produtor há algum tempo, e sempre o orientou a buscar ferramentas que facilitem o trabalho e melhorem a qualidade da produção de leite. “Nós viabilizamos um crédito rural do Pronaf para que ele pudesse adquirir uma picadeira e fazer melhoramentos na atividade. Com esta picadeira ele conseguiu produzir um alimento de melhor qualidade e desenvolver a máquina de encher silo”.

O técnico conta que Antônio é muito dedicado e está sempre buscando meios para driblar as adversidades. O extensionista ainda acrescenta que o produtor conseguiu, em apenas dois anos, duplicar a produção diária de leite, sendo um exemplo para os demais agricultores.

Quem também está orgulhoso das invenções é Tiago Andrade da Silva, filho de Antônio. Ele conta que as máquinas ajudaram muito a diminuir os custos com a alimentação do gado e também facilitaram o trabalho deles. Tiago ressalta que admira muito a criatividade do pai, pois ele inicia a montagem das engenhocas só com a ideia na cabeça e nunca fez cursos.

O filho de Antônio diz que pretende dar continuidade à tradição familiar na produção rural e espera também desenvolver o mesmo talento do pai para criação de engenhocas. “Acredito que, quando ficar mais velho, vou ter a mesma habilidade que ele. E trabalhando ao lado de um professor é impossível não aprender”, completa.

Prêmio de Criatividade Rural
A Emater-MG, empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), lançou um concurso que vai eleger as melhores ideias colocadas em prática pelos produtores rurais de Minas Gerais. É o 7º Prêmio Emater-MG de Criatividade Rural. As inscrições são gratuitas e estão abertas até o dia 9 de julho.

O concurso tem o objetivo reconhecer e disseminar inovações tecnológicas que gerem melhorias em sistemas de produção, de processamento e de comercialização de produtos agropecuários. Podem participar produtores rurais de forma individual ou representados por associações e cooperativas.

Todos os projetos inscritos precisam ter um responsável técnico da Emater-MG, empresa vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Cada participante poderá inscrever apenas um projeto, que precisa ter sido implementado a partir de 2016, com resultados efetivos. O regulamento completo está disponível AQUI. Com informações da Assessoria de Comunicação da Emater-MG.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!