Empreendedor deixa gerência em multinacional para investir na produção de ovos orgânicos em MG

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Depois de trabalhar por dez anos como gerente de uma multinacional, Rodrigo Ramos das Neves decidiu mudar totalmente o seu estilo de vida. Ele pediu demissão para investir em seu próprio negócio: a produção de ovos orgânicos. Segundo Rodrigo, a atividade é trabalhosa, mas o retorno tem sido acima do esperado. Até o fim de 2020, o avicultor pretende aumentar cerca de quatro vezes a produção da sua propriedade, que fica em Delfim Moreira, no Sul de Minas Gerais.

Rodrigo Ramos nunca havia lidado com a produção agropecuária. O interesse pelo setor surgiu quando ele começou a consumir alimentos orgânicos. Rodrigo iniciou com a produção de hortaliças orgânicas, voltada para o consumo familiar. Foi a partir desta experiência, que o produtor resolveu deixar o antigo emprego, em 2017, para comercializar a produção da propriedade. Além de vender para redes de supermercados, ele também faz entregas a domicílio. “A divulgação dos alimentos e o contato com os consumidores são feitos por nossas redes sociais. Os interessados escolhem os alimentos e entregamos sem cobrar taxa”, diz o produtor.

Avicultura Orgânica
No ano seguinte, em 2018, Rodrigo fez uma nova aposta no mercado: a produção e comercialização de ovos orgânicos. O plantel da propriedade dele conta com mil galinhas e a produção chega a 950 ovos por dia. “Antes de iniciar a atividade, eu me prepararei, fazendo cursos na principal empresa brasileira do setor. Além disso, recebi toda a orientação técnica da Emater-MG, que me ajudou em detalhes importantes”, ressalta Rodrigo.

No sítio foi construído um galpão de 250 m², com salas para classificação e armazenagem dos ovos, escritório e dois banheiros. O investimento foi feito com recursos próprios. Os extensionitas da Emater-MG, órgão vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), fizeram algumas indicações para garantir o conforto e a boa produtividade das aves.

“O sol deve bater em toda a parte externa do galpão. Nós também sugerimos uma tela de proteção de mais qualidade para evitar predadores e escotilhas adequadas, que facilitem a entrada e saída das aves”, relata Túlio César Meirelles, técnico da empresa de assistência técnica.

As galinhas são criadas no sistema de semiconfinamento. Durante o dia elas ficam soltas, numa área dividida em piquetes e, à noite, retornam ao galpão. “No modelo convencional, as aves ficam presas. No semiconfinamento, as galinhas ficam soltas boa parte do tempo. Elas não ficam estressadas e, isso, contribui para melhorar a produção”, diz Túlio Meirelles.

Os animais recebem ração três vezes ao dia. A primeira refeição é às seis horas da manhã, depois ao meio dia e o ciclo é encerrado às 16 horas. A ração é uma mistura de soja, milho e minerais. “A alimentação é 100% vegetal. Ela não pode ser transgênica e deve ser orgânica. Esses produtos são todos adquiridos de empresas certificadas”, explica Rodrigo Ramos.

Há também um cuidado especial com os ovos. A coleta acontece a cada 10 minutos, evitando que os ovos sejam sujos. Rodrigo também explica que não é feita a lavagem para reduzir os riscos de contaminações. “Quando se lava os ovos, pode acontecer uma contaminação, pois a água utilizada, por exemplo, tem cloro que penetra nos poros dos ovos”, afirma. Para finalizar, os ovos vão para a sala de armazenamento que, segundo o avicultor, deve ser escura para não interferir no período de validade do produto.

A produção e a propriedade do Rodrigo Ramos possuem o selo do Serviço de Inspeção Municipal (SIM) e são certificadas pela Ecocert Brasil e Orgânicos Brasil, ambas credenciadas pelo Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). “A certificação é uma garantia a mais para os consumidores de que os nossos produtos são de qualidade e realmente orgânicos”, diz.

Mercado
Os ovos também são vendidos como as hortaliças, por meio das redes sociais e entregas a domicílio. Neste caso, cada unidade custa R$ 1,20. A produção de ovos ainda é comercializada com redes de supermercados da região.

Para 2020, Rodrigo Ramos está otimista e pretende ampliar o alcance da sua marca “Lá do Sítio”. Ele já iniciou a construção de um novo galpão e espera aumentar o plantel de galinhas da propriedade para 4 mil aves e a produção para 3,8 mil ovos por dia.

“Eu comecei muito cedo e sempre fui empregado. Então, é muito gratificante você ter uma marca sua e ver ela crescer, sendo bem recebida. Sem contar que tenho mais tempo para passar com a minha família”, relata o Rodrigo.

O produtor ainda destaca que, apesar da pandemia do novo coronavírus, as vendas da sua propriedade aumentaram. “Não estamos conseguindo atender toda a demanda. Nesse período de pandemia, as pessoas estão buscando uma alimentação saudável”. Com informações da Assessoria de Comunicação da Emater-MG.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!