Condenação de Bumlai, Vaccari e Cerveró na Lava Jato é mantida

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) decidiu nesta quarta (30) manter a condenação do pecuarista José Carlos Bumlai, do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró em um dos processos a que respondem na Lava Jato.
Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Os empresários Salim Taufic Schahin e Milton Taufic Schahin, sócios do Grupo Schahin, também tiveram suas condenações a nove anos e dez meses de prisão mantidas. Já o operador Fernando Falcão Soares, conhecido como Baiano, teve sua pena reduzida de seis anos para cinco anos e seis meses em regime semiaberto.

Entre os crimes imputados aos reús estão lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e corrupção passiva e ativa. Apenas Fernando Schahin teve sua condenação revertida, sendo absolvido pelo TRF4.

Bumlai foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância, enquanto Vaccari foi sentenciado a seis anos e oito meses em regime semiaberto. Cerveró foi condenado, também por Moro, a seis anos e oito meses.

Denúncia
De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o Banco Schahin concedeu, em outubro de 2004, um empréstimo de R$12,1 milhões a Bumlai. O dinheiro, no entanto, teria como beneficiário real o PT, tendo o pecuarista sido utilizado somente como pessoa interposta. O empréstimo, com vencimento previsto para novembro de 2005, não foi pago e nem tinha garantia.

Segundo o MPF, em troca pela operação o grupo Schahin teria sido beneficiado na contratação do Navio-Sonda Vitoria 10.000 pela Petrobras, o que ocorreu em 28 de janeiro de 2009 pelo valor de US$ 1,5 bilhão. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE