Construção de bacias de captação de água de chuva amenizam efeitos da seca

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Divulgação/Emater

Os longos períodos de estiagem prejudicam as pastagens e, consequentemente, o desenvolvimento e produção do rebanho bovino. Esse é um problema comum em muitos municípios no Norte de Minas Gerais.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Para amenizar os efeitos da seca, o município de Capitão Enéas optou em construir bacias de captação de água de chuva. Além de contribuir para o abastecimento do lençol freático, as bacias ajudam a evitar o assoreamento dos cursos d’água.

De acordo com a Emater-MG, nos últimos quatro anos a estiagem contribuiu para a redução em 60% do rebanho leiteiro do município. Outros problemas apontados pela Emater-MG são as erosões e o assoreamento dos cursos d’água.

Preocupados com essa situação, técnicos da Emater-MG e produtores fizeram diversas reuniões para buscar alternativas. Umas das soluções encontradas pelo grupo foi a construção de bacias de captação de água de chuva.

“As bacias têm a finalidade de conter processos erosivos e promover o abastecimento do lençol freático, através da infiltração das águas captadas”, diz o extensionista da Emater-MG, Rogério Nascimento.

O técnico ainda ressalta que a água armazenada pelas bacias pode ser utilizada na produção de alimentos, como hortaliças, diminuindo gastos para os produtores.

Para colocar a ideia em prática, foi preciso obter recursos. Isso foi possível por meio de uma parceria entre a Emater-MG, Banco do Brasil e produtores. A Emater-MG elaborou o projeto técnico e o Banco do Brasil liberou cerca de R$ 68 mil para a execução. Em contrapartida, os produtores investiram na ação cerca de R$ 2,2 mil.

As obras aconteceram entre junho de 2015 e agosto de 2016. Foram construídas 65 bacias de captação de água de chuvas.

Cada bacia foi construída em uma propriedade rural nas comunidades de Santana da Serra, Bico da Pedra, Barreiro de Dentro, Poço do Pedro, Mocambo, Virgilândia, Malhada do Meio, Nova Malhada, e nos assentamentos Sol Nascente e Darcy Ribeiro.

Segundo o técnico da Emater-MG, Fernando Soares Maia, apesar de pouco tempo, a ação já apresenta bons resultados. Ele diz que melhorou a disponibilidade de água no lençol freático, diminuiu a ocorrência de erosões e perda de solo fértil, e também reduziu o assoreamento dos cursos d’água.

“Além disso, tornou as condições ambientais mais favoráveis ao agricultor familiar, amenizando as consequências das estiagens e tornando o campo um lugar melhor de se viver”, afirma Maia.

Preparo do solo
Além da construção de bacias de captação de água de chuva, a Emater-MG orienta os produtores em outras ações, como o preparo adequado do solo e a construção de terraços, que são canais feitos ao longo de áreas em declive para a interceptação das enxurradas.

As duas ações servem para combater a erosão. Os extensionistas da empresa também estimulam o uso de culturas mais resistentes à seca, como sorgo e milheto, que podem ser utilizadas na alimentação complementar do rebanho. Com Agência Minas

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!