Justiça condena oito vereadores em Cataguases por desvio de dinheiro público

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O juiz da Vara Criminal e de Execuções Criminais da Comarca de Cataguases (Zona da Mata), João Carneiro Duarte Neto, condenou oito vereadores denunciados pelo Ministério Público por desvio de dinheiro público em proveito próprio.

Antônio Batista Pereira, Fausto Severino de Castro, Fernando Rodrigues do Amaral, João do Carmo Lima, José Augusto Guerreiro Titoneli, Michelângelo de Melo Correa, Ricardo Geraldo Dias e Sérgio Luiz devem ressarcir o erário municipal em R﹩ 43,8 mil, valor corrigido pela tabela da Corregedoria-Geral de Justiça, e em mais 1% ao mês, a partir da data da prolação da sentença até o efetivo pagamento.

Os vereadores Antônio Batista Pereira, Fernando Rodrigues do Amaral, José Augusto Guerreiro Titoneli, Michelângelo de Melo Correa, Ricardo Geraldo Dias e Sérgio Luiz foram condenados, ainda, à pena de nove anos, cinco meses e 25 dias de reclusão; os vereadores Fausto Severino de Castro e João do Carmo Lima, à pena de oito anos, um mês e 18 dias de reclusão em regime fechado.

Segundo o MP, os vereadores desviaram dinheiro público, por 48 vezes, cada um, na legislatura entre 2005 e 2008. Eles receberam valores para custeio de gastos com postagem de correspondências, cópias xerográficas, assinatura de jornais e viagens de interesse do Legislativo, e não apresentaram comprovação documental ou justificativa de sua relação com o exercício da atividade legislativa.

A Câmara Municipal de Cataguases editou uma resolução que permitia o repasse aos vereadores, à ordenação de despesas de até R﹩ 700, podendo ser aumentada para o limite de R﹩ 1 mil.

Depois de análise pericial, identificou-se o uso de valores para indenizar despesas de combustível para veículos particulares. Porém, a verba indenizatória somente poderia ressarcir o vereador em despesas extraordinárias, suportadas com o fim exclusivo de exercer a atividade de interesse público.

“Os controles realizados pela Câmara Municipal não continham qualquer comprovação efetiva da natureza das atividades realizadas pelos vereadores, o itinerário seguido, data e horário, a quilometragem percorrida, entre outras informações, o que impede a comprovação de que o combustível custeado pelos cofres públicos tenha sido gasto exclusivamente no estrito exercício das funções legislativas”, destacou o MP.

Em sua defesa, todos os denunciados pelo Ministério Público alegaram falta de provas para condenação.

Decisão
O juiz João Carneiro Duarte Neto considerou que tanto a materialidade quanto a autoria estão comprovadas nos autos, por meio de documentos, perícias contábeis e testemunhas colhidas em juízo.

Houve a efetiva saída de recursos públicos que beneficiou, particularmente, cada um dos réus, gerando enriquecimento ilícito. A autoria, de igual modo, resta pacificada no feito. As defesas – tanto técnica quanto a realizada diretamente pelos réus – em nenhum momento contestaram o fato de que se utilizaram, conforme narrado nos autos, dos valores definidos como “verba de gabinete”, usando-se dos valores, mensalmente, para colocar combustível em seus veículos particulares, registrou o magistrado.

Quanto ao crime, todos os elementos presentes nos autos levam à conclusão de que houve uma deliberada intenção dos então vereadores de prática dos crimes imputados, restando evidente, portanto, o dolo direto dos denunciados, considerou o juiz João Carneiro Duarte Neto. Com informações da Assessoria de Comunicação Institucional do TJMG

PUBLICIDADE
Don`t copy text!