Pequenos negócios de MG registram leve recuperação

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O percentual de pequenos negócios em Minas Gerais que permanece com o funcionamento suspenso em razão da pandemia caiu de 22% para 18% entre julho e agosto. O faturamento do setor continua abaixo do normal para a maioria dos entrevistados (75%), mas houve uma melhora em relação ao mês anterior, quando 82% dos empresários indicaram redução das vendas.

Os resultados são da 7ª edição da pesquisa O impacto da pandemia do coronavírus nos pequenos negócios, realizada pelo Sebrae entre os dias 27 e 31de agosto, com uma amostra de 893 empresas do estado.

O volume de vendas dos pequenos negócios mineiros em agosto ficou 37% abaixo do normal, mas subiu 14 pontos percentuais em relação a julho (51%). “O setor está se recuperando lentamente e as vendas on-line e o delivery continuam entre as principais estratégias dos empresários para recuperarem as vendas”, explica Afonso Rocha, superintendente do Sebrae Minas.

Um número crescente de empresários indicou a venda de produtos/serviços favorecidos pela pandemia como estratégia para aumentar o faturamento no período. O percentual que apostou nessa estratégia passou de 10% dos entrevistados em julho, para 19% em agosto.

As demissões no setor também apresentaram uma leve redução. Em agosto, 10% dos empresários precisou demitir, contra 11% em julho. As contratações, entretanto, permaneceram estáveis. “Apenas 9% dos entrevistados afirmaram ter contratado funcionários com carteira assinada em agosto”, acrescenta Rocha.

A redução da jornada de trabalho e de salários foi adotada por um percentual maior de empresários em agosto (24%), contra 20% em julho. Já a suspensão do contrato de trabalho caiu no período, passando de 36% para 29% a proporção de empresários que afirmou ter recorrido a esta medida de redução de custos.

Impactos da pandemia nos pequenos negócios*
75% dos empresários registram queda do faturamento

33% dos que conseguiram aumentar o faturamento investiram nas vendas on-line

19% passaram a vender produtos/serviços favorecidos pela pandemia

37% não demitiram em julho

Fonte: Sebrae – 7ª pesquisa O impacto da pandemia do coronavírus nos pequenos negócios (27 e 31/08/20).
Com informações da Assessoria de Imprensa do Sebrae Minas

PUBLICIDADE
Don`t copy text!