FAO alerta que crise alimentar no Afeganistão já é uma das piores do mundo

Mais de metade da população do Afeganistão estará enfrentando fome aguda a partir de novembro, um recorde de 22,8 milhões de pessoas. Este é o principal dado do relatório Classificação de Fase Integrada da Segurança Alimentar (IPC), divulgado esta semana.

O documento foi produzido pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), e pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA). As agências reforçam o apelo por ajuda internacional, uma vez que o Afeganistão já tem uma das maiores crises alimentares do mundo.

Inverno extremo
São vários fatores que contribuem para a situação de fome: seca, conflitos, pandemia de Covid-19 e crise econômica. O levantamento é lançado num momento em que o frio já começa no país.

O inverno no Afeganistão é rigoroso e com as temperaturas muito baixas, o acesso a várias regiões fica impedido nos meses de frio extremo, dificultando a chegada de assistência humanitária a várias famílias.

O relatório IPC destaca que mais de um entre dois afegãos estará enfrentando níveis críticos ou emergenciais de insegurança alimentar aguda entre novembro deste ano e março de 2022.

Prevenir uma catástrofe
Por isso, serão necessárias intervenções humanitárias de urgência para que a população receba alimentação básica e para prevenir uma “catástrofe humanitária”.

O diretor-geral da FAO declarou ser urgente “agir com eficiência para acelerar a entrega de ajuda, antes que o Inverno corte uma grande área do país, com milhões de pessoas, incluindo agricultores, mulheres, crianças e idosos, passando fome num inverno gelado”

Para Qu Dongyu, essa é uma questão de vida ou morte, além de ser “inaceitável esperar para ver acontecer desastres humanitários”.

Por sua vez, o diretor executivo do PMA, David Beasley, destacou que o Afeganistão já tem uma das piores crises humanitárias do mundo, com o colapso da segurança alimentar.

Sofrimento em áreas urbanas
Desde o último levantamento feito em abril, houve alta de 37% no total de afegãos enfrentando fome aguda, incluindo 3,2 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade que têm risco de sofrer de desnutrição até o fim deste ano.

Pela primeira vez, residentes de áreas urbanas estão enfrentando insegurança alimentar em níveis iguais aos das comunidades de áreas rurais. Com o alto índice de desemprego e a crise na liquidez, todos os grandes centros urbanos do Afeganistão vão enfrentar nível alto de insegurança alimentar, inclusive a classe média.

O impacto severo das secas nas áreas ruais tem afetado os meios de subsistência de 7,3 milhões de pessoas que dependem da agricultura e da criação de gado para sobreviver.

Uma gota no oceano
A FAO e o PMA alertam para a enorme falta de fundo para financiar operações humanitárias no país e pedem ação da comunidade internacional antes que seja tarde demais. Apenas um terço do Plano de Resposta Humanitária da ONU para o Afeganistão foi financiado.

O PMA, por exemplo, precisa de US$ 220 milhões por mês para fornecer assistência alimentar e nutricional aos civis. Já a FAO precisa de US$ 11,4 milhões para continuar ajudando os agricultores nos próximos meses. Com ONU News

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!